Tricolor de Aço apresenta elenco

Elenco é composto por 30 jogadores, mas apenas 24 ficam no clube

Na busca de realizar uma campanha digna das tradições do clube, a diretoria do Independência Futebol Clube apresentou oficialmente, na tarde de quarta-feira (19), no CT do Marinho Monte, os atletas que vão disputar o Campeonato Acreano-2019. O time conta apenas 30 dias para realizar o período de pré-temporada, pois dia 20 de janeiro estreia diante do Galvez, às 17h30, no estádio Florestão.

Do time que conquistou o título de campeão da Segunda Divisão e consequentemente o acesso à elite do futebol local, apenas o zagueiro Daniel, que é da base, o zagueiro Carnaúba, que estava no grupo, o lateral direito Mandim, o volante Kleyton e o atacante Tonho Cabaña permanecem no grupo.

Sem muitas alternativas no mercado e com investimento modesto, o Tricolor terá como reforço para a temporada o lateral direito Bruno, ex-Rio Branco, Juventus e com passagem pelo próprio Independência; o lateral esquerdo Thaumaturgo, ex-Náuas e Galvez; o volante Paulinho Pitbull, outro que já jogou em diversos times locais e projetado no próprio clube; o meia Hamilton, ex-Galvez e Vasco, e ainda os atacantes Ailton, ex-Atlético e Vasco da Gama, Renan, ex-Plácido de Castro, e Rodrigo, esse último destaque do Naus na Segunda Divisão.

No limite

O gestor de futebol e treinador Illimani Suares deixou bem claro que o elenco composto por 30 atletas será reduzido para 24 até o fim deste ano. “Vamos trabalhar no limite para adequar nossas despesas com nossa realidade financeira”, explicou.

O Independência ainda negocia com os goleiros Lucas, ex-Vasco, e Thiago, que já jogou duas temporadas pelo Tricolor, além de Alto Acre, Adesg e Amax. O zagueiro Aslan, que foi projetado pelo Náuas e disputou duas temporadas pelo Tricolor, é outro que interessa ao clube. O Tricolor também negocia com um goleiro que já passou pelo Águia de Marabá-PA, mas dependente das negociações com os dois goleiros locais para um desfecho do negócio.

Rocha apresenta projeto que cobra alimentos mais saudáveis

O deputado federal major Rocha (PSDB) apresentou projeto de lei (11.055/18) nesta semana que visa determinar a rotulagem frontal de alimentos com altos índices desses componentes.

O aumento de casos de hipertensão, diabetes, câncer e doenças cardiovasculares ligadas ao sobrepeso é preocupante, afirma Rocha.

O Ministério da Saúde indica que, até 2024, surgirão mais de 29 mil casos de câncer relacionados ao sobrepeso. Em 2016, a obesidade já afetava 18,9% dos brasileiros.

O Brasil assinou acordo para a redução de 144 mil toneladas de açúcar de alimentos industrializados no país até 2022. Mais de 1 mil produtos terão que ser alterados com a medida. Apesar de a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendar o consumo de até 50g de açúcar por dia, o brasileiro já chega a 80g.

O projeto apresentado por Rocha determina que as embalagens dos alimentos exibam rotulagem na área frontal sempre que se tenha agregado sódio, açúcares, gorduras ou gorduras saturadas em valores acima dos estabelecidos pelo órgão regulador do Ministério da Saúde. A medida inclui as bebidas, aditivos alimentares e ingredientes destinados aos serviços de alimentação.

O deputado participou de debate no Parlamento do Mercosul (Parlasul) com especialistas de diversos órgãos da ONU que falaram sobre a importância de inserir informações claras nas embalagens dos alimentos. O padrão proposto é similar ao já usado por países como Chile e Uruguai.

“A rotulagem vai colaborar no combate às consequências do consumo excessivo, levando informação ao consumidor na gôndola do supermercado”, explicou Rocha.

O Poder Executivo ficará encarregado de definir as características do rótulo frontal para garantir que o consumidor tenha acesso à informação. As embalagens com rótulo frontal não poderão incluir elementos que induzam ao engano ou compra do produto, como brindes e concursos.

A proposta não se aplica a alimentos de uso medicinal, produtos destinados à dieta de controle de peso, suplementos, adoçantes de mesa e fórmulas para lactantes e crianças até 3 anos.