Limpeza em ETA interrompe abastecimento de água em bairros de Rio Branco

Uma limpeza feita na Estação de Tratamento de Água (ETA II) interrompeu o abastecimento de água em Rio Branco neste domingo (25). De acordo com o Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa), a operação está programada para durar três horas, e o abastecimento de água deve ser normalizado às 14h horas.

Conforme o diretor do Depasa, Moisés Diniz, as ações de limpeza de filtros, bombas e reservatórios precisou ser feita porque o local que estava com grande acúmulo de resíduos. Ainda de acordo Diniz, o abastecimento deve ser normalizado logo após a limpeza.

“Tivemos um problema grande em uma das bombas na semana passada, que prejudicou toda a região central da capital acreana. E nós estávamos normalizando a situação neste sábado [24] e agora deu outro problema, que não é mais na bomba é uma questão técnica. Então, desligaram a ETA 2 às 11h deste domingo e vão religar às 14h”, disse Diniz.

O diretor ressaltou que muitos moradores não devem sentir essa falta de distribuição por algumas horas no domingo, porque receberam água no sábado (24) e, portanto, estão com estoque de água.

“Esses reservatórios vão acumulando areia e lama e se não é retirado, temos um custo mais alto de tratamento da água. Então, eles estão agora nesse momento tirando esses resíduos. Mas, alguns moradores não vão sentir, porque receberam água ontem até a noite e devem estar com estoque de água em casa”, afirmou o diretor.

Depasa adota novas medidas de prevenção no sistema de abastecimento do Bujari

Com o início do período de estiagem, o Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa) adota novas medidas de contingência para garantir o fluxo de distribuição de água para a cidade de Bujari, que fica localizada a 22 quilômetros de Rio Branco, na BR-364, sentido Juruá, e conta com 9.500 habitantes.

No ano passado, o município enfrentou graves consequências do segundo pior ciclo de seca em décadas, de acordo com os órgãos ambientais do Acre, que provocaram a redução drástica nos níveis de rios e mananciais como exemplo, o Igarapé Redenção, que abastece o reservatório do município do Bujari.

Como forma de evitar o desabastecimento repentino aos consumidores, a autarquia iniciará na próxima segunda-feira, 9, uma redução nos processo de distribuição de água tratada.

“Cotidianamente monitoramos o nosso açude que fica interligado ao Igarapé Redenção. Na última quinta-feira, detectamos que o manancial diminuiu consideravelmente o nível de água que alimenta o nosso reservatório. Então, para mantermos uma segurança na etapa de abastecimento, aplicaremos uma distribuição intermitente, que normalmente é de 1 dia passará para 2”, relata o diretor de operações do Depasa, David Bussons.

O gestor ressalva que no inicio do ano, a barragem do Igarapé Redenção, foram aumentadas em 50 centímetros para que o reservatório tivesse capacidade de captar mais água da chuva.

“Outras medidas que adotaremos na cidade contarão com o suporte de agentes técnicos do Depasa na intensificação da campanha “Nós Contra o Desperdício”, com ações educativas em prol do uso racional da água, além de reforçarem os reparos nas redes de abastecimento dos consumidores”, informa Bussons.

Seca de 2017

A estiagem do corrente ano agravou as dificuldades no processo de captação de água, pois o açude da Estação de Água (ETA) diminuiu de 5 metros para 30 centímetros em seu ponto mais profundo e consequentemente provocou a implantação de medidas de racionamento na cidade.

Bujari foi uma das regiões onde foi decretada situação de emergência por causa da estiagem. A publicação consta na edição do Diário Oficial do Estado do Acre (DOE) e foi decretada pelo governador Tião Viana no dia 25 de agosto. Para superar os desafios garantir o fluxo de abastecimento de Bujari, a autarquia recebeu o auxílio de carros-pipa para atender as mais de 1.500 ligações domiciliares na área urbana.

Forças federais garantem a passagem de produtos para abastecimento do Acre

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o Exército Brasileiro continuam garantindo a passagem de caminhões para o Acre, por causa da greve nacional dos caminhoneiros. Em reunião com o governador Tião Viana e equipe nesta terça-feira, 29, as instituições afirmaram que o movimento está diminuindo, mas continuam realizando a escolta dos veículos com cargas importantes para o abastecimento do estado.

“Agora a gente vai trabalhar junto com os caminhoneiros, para que aqueles que ainda continuam no movimento compreendam a situação e voltem à normalidade. A PRF, junto com o Exército, está fazendo as escoltas em todos os veículos que se sintam ameaçados, se houver resistência estaremos prontos e usaremos a força com toda certeza”, afirmou o superintendente da PRF no Acre, inspetor César Henrique.

Foi informado ainda que na segunda-feira as forças federais escoltaram comboios de caminhões para o estado, garantindo a chegada de mais de 300 mil litros de diversos combustíveis. Caminhões com gás também chegaram, mantendo o estoque do produto.

O comandante do 4° Batalhão de Infantaria de Selva (BIS), Coronel Wellington Valone, explicou que o Exército também está garantindo a escolta e acompanhando as poucas manifestações que ainda ocorrem. “Estamos com um ponto permanente no posto Tucandeira, onde fazemos controle dos veículos que estão passando. Hoje, vamos iniciar um trabalho de escolta dos caminhões que trazem cargas perigosas, como combustível, desde da balsa de Abunã em Rondônia, até a região urbana de Rio Branco”, afirmou.

O governo do Estado segue monitorando o andamento da greve nacional, atuando como auxiliar das forças federais nas rodovias, quando necessário.

reuniao governo
Fluxo de caminhões está se normalizando, afirmam forças federais – Foto/Sérgio Vale/Secom

Abastecimento em Brasília deverá ser normalizado até segunda

O abastecimento de combustível no Distrito Federal deverá estar normalizado até segunda-feira (28), informou há pouco o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e de Lubrificantes do Distrito Federal (Sindicombustíveis). Segundo a entidade, que representa os postos de gasolina, hoje (26) foram entregues mais 3 milhões de litros em diversos postos da capital federal e de cidades próximas.

De acordo com o sindicato, o abastecimento amanhã (27) funcionará em esquema de plantão e os caminhões continuarão a ser escoltados por policiais. Segundo a entidade, a população não precisa mais se alarmar com a falta de combustíveis na cidade.

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) também tranquilizou a população e afastou o risco de desabastecimento de água potável a partir de terça-feira (29). Em nota emitida esta tarde, a empresa informou que as carretas com produtos químicos que purificam a água que estavam retidas em Cristalina (GO) foram liberadas com escolta da Polícia Rodoviária Federal.

No comunicado, a Caesb recomendou que os consumidores não estoquem água em excesso e evitem desperdícios. A empresa assegurou que o sistema está dentro da capacidade e da necessidade de atender à população.

Aeroporto

Depois de receber quatro caminhões com querosene de aviação por volta das 13h, o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek informou ter recebido mais dois caminhões ao longo da tarde. Segundo a última atualização, o aeroporto operava com 6,5% da capacidade de abastecimento. Até as 17h, haviam sido cancelados 58 voos, dos quais 32 chegariam a Brasília e 26 partiriam da capital federal.

Pela rede social Twitter, a administração do aeroporto informou que a companhia Latam enviou um Boeing 777 com um adicional de 40 toneladas de combustível, que será usado para abastecer outros aviões da empresa. A mesma aeronave levou 385 passageiros para Guarulhos (SP). Esse tipo de avião costuma ser usado em rotas internacionais de longa distância.

Casamento coletivo cancelado

A greve dos caminhoneiros, no entanto, continua a provocar transtornos. Um casamento coletivo com 68 casais no Centro de Convenções de Brasília, que seria realizado amanhã, foi cancelado. Segundo a Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania do Distrito Federal, o deslocamento dos noivos, dos parentes e demais convidados e de profissionais como cabeleireiros, maquiadores, seguranças, responsáveis por bufês e servidores públicos ficou prejudicado. Uma nova data para o evento será informada nos próximos dias.

Forças federais afirmam que estão prontas para assegurar abastecimento local

Em nova avaliação com o governo do Estado, na tarde deste sábado, 26, Exército Brasileiro e Polícia Rodoviária Federal (PRF) afirmam que irão garantir a passagem de caminhões nas rodovias do Acre caso hajam barreiras, devido à greve nacional dos caminhoneiros.

Existe ainda a paralisação voluntária de alguns motoristas, porém, com indicativo, por parte do movimento de que caminhões com produtos perecíveis, medicamentos e outros produtos hospitalares e água transitam normalmente.

O governador Tião Viana e a equipe de governo seguem monitorando qualquer problema com o abastecimento de serviços essenciais. As informações passadas pelo comandante de Fronteira Acre/4°Batalhão de Infantaria de Selva, Coronel Wellington Valone, é de que as barreiras no estado de Rondônia já foram abertas, permitindo a passagem dos veículos para o Acre.

Nas rodovias estaduais, o governo do Estado estará com a Polícia Militar atuando de forma auxiliar às forças federais para garantir a passagem, caso seja necessário. Nas rodovias federais, Exército e PRF continuam garantindo o trânsito de veículos mediante à solicitação, se houver impedimento por parte da greve.

O carregamento de soro e outros produtos hospitalares que estava a caminho do estado chegou nesta tarde, garantindo o abastecimento nas unidades. Na sexta-feira, o governo federal publicou o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em todo o território nacional, para que haja o controle nas rodovias.

Governo adota medidas para garantir abastecimento na Saúde

Com o protesto realizado por caminhoneiros em todo o Brasil, várias regiões do país já começam a sentir o efeito do quinto dia de greve, principalmente com a falta de combustível, alimentos e remédios.

No Acre, o secretário de Estado de Saúde, Rui Arruda, acompanhado dos secretários adjuntos, definiu na tarde desta quinta-feira, 24, várias medidas preventivas para garantir o pleno funcionamento das unidades de saúde, a continuidade dos serviços e o estoque de medicamentos.

Entre as medidas, estão a redução da circulação da frota de veículos administrativos, buscando priorizar as viaturas que prestam atendimento de urgência e emergência, como é o caso do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Outra medida é a otimização da logística da distribuição dos insumos para as unidades do interior do estado.

“Essa foi uma determinação do governador Tião Viana para que nos antecipássemos a qualquer possibilidade de desabastecimento. Assim, elaboramos um plano de gerenciamento de risco para promover ações que garantam a continuidade dos serviços públicos de saúde”, explica Kleyber Guimarães, adjunto de Administração e Finanças da Sesacre.

A Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) conversou, inclusive, com os líderes do bloqueio na BR-364 e teve a garantia da liberação de medicamentos e oxigênios que estejam vindo de outros estados.

“Nosso objetivo é evitar qualquer desconforto para os pacientes. Na saúde trabalhamos com a vida das pessoas e precisamos nos antecipar para garantir a oferta dos serviços tanto de emergência quanto nas unidades hospitalares”, destaca Rui Arruda, secretário de Saúde.

Outra ação que só será posta em prática caso o bloqueio continue e a situação chegue a um patamar extremo é o uso de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), repetindo o que aconteceu em 2014, quando o Acre ficou isolado, via terrestre, do restante do país por causa da cheia histórica do Rio Madeira.

“Já mantivemos contato com a FAB, mas creio que não chegaremos à situação de ter que usar esse expediente para abastecer nossas unidades de saúde”, explica Arruda.

Forças Armadas vão garantir abastecimento, diz governo

O governo vai acionar as forças de segurança federais para liberar as estradas e as Forças Armadas serão utilizadas para garantir o abastecimento da população. Para isso, será editada uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), válida até o dia 4 de junho. A notícia foi dada hoje (25), em entrevista coletiva no Palácio do Planalto.

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmman, afirmou ainda que o presidente Michel Temer poderá editar um decreto para permitir a requisição de bens, prevista na Constituição, para que alimentos, combustíveis, medicamentos e insumos cheguem à população, em todo o país. Ele acrescentou que os militares têm o respaldo legal para assumir a direção dos caminhões dos grevistas, se assim necessário. “O artigo 5, inciso 25 da Constituição Federal permite a requisição de bens, caso se faça necessário, em condições de pilotar veículo para que o desabastecimento seja contido e voltemos a ter distribuição regular”.

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, anunciou que houve redução considerável dos bloqueios de estradas em todo o país. Segundo os números apresentados pelo governo, informados pela PRF, das 938 obstruções e interdições de rodovias, 419 já foram liberadas até este momento. Há ainda 519 pontos de interdições, já parciais, segundo o governo. O ministro admitiu que a liberação ocorre com menos velocidade do que o esperado.

Locaute

O ministro da Segurança disse ainda que a Polícia Federal abriu inquérito e vai ouvir 20 empresários de transportadoras para investigar se fizeram locaute, o que é ilegal e punível com prisão e multa. “Estamos investigando se grandes empresas, transportadoras, patrões usaram os trabalhadores para ampliarem suas margens de lucro”, afirmou Jungmann. “Greve é direito constitucional; locaute é ilegalidade”, definiu. “Nós vamos ver quem está tirando proveito das reivindicações de trabalhadores. Se há patrões explorando os trabalhadores e o sofrimento da população”, completou. O ministro disse que se o locaute for comprovado, os infratores serão enquadrados em sete tipos de crimes.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen, disse que as forças federais já estão atuando para normalizar a distribuição de produtos no país. Segundo ele, uma das refinarias da Petrobras no Rio de Janeiro, já reiniciou a distribuição de combustível no estado. “A refinaria Duque de Caxias já normalizou quase na integralidade, o que vai limpando o horizonte para nós. Haverá o tempo necessário para reposição de estoques, mas reinicia o abastecimento”, disse. O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou que muitos caminhoneiros estão respeitando o acordo firmado ontem com o governo federal.

De acordo com o ministro Padilha, informações da Polícia Rodoviária Federal e do GSI mantém a cúpula do governo informada. “O acordo está sendo observado por muitos. Temos monitoramento minuto a minuto. Postos da Polícia Rodoviária Federal municiam com informações e o Gabinete de Segurança Institucional vai acompanhando minuto a minuto o que vai acontecendo”. Segundo ele, uma “minoria barulhenta” tem atrapalhado o processo de volta à normalidade nas estradas.

Governo segue monitorando abastecimento devido à greve dos caminhoneiros

O governo do Acre segue monitorando e tomando precauções devido à paralisação nacional dos caminheiros, que já chega ao quinto dia consecutivo. Desde o início da greve, o governo estabeleceu um gabinete de gestão de crise para avaliar as decisões a serem tomadas e providências necessárias.

“Diante do quadro atual, o governo já se antecipou e está tomando as providências para salvaguardar interesses da população do Acre. Fizemos diversas reuniões, garantimos que as coisas estão andando dentro do melhor espírito normalizado”, declarou Djalma.

Por orientação da Casa Civil, os órgãos e autarquias do Estado estão racionando o uso de veículos oficiais, definindo ações prioritárias para que não haja prejuízos com o abastecimento de combustível.

Durante reunião com o desembargador e governador em exercício, Francisco Djalma a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) informou que já executa um plano de contingenciamento para assegurar o funcionamento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). “Mantivemos contato com os fornecedores para que nos seja garantido combustível para as ambulâncias”, disse Rui Arruda, titular da pasta.

O Estado entrou, ainda, em contato com a Advocacia Geral da União (AGU) para orientações sobre as providências que o órgão está tomando. Nesta sexta-feira, a AGU acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para que a greve seja declarada ilegal. Em Brasília, o governador Tião Viana segue acompanhando a situação e em tratativas com outros governadores e ministérios, buscando alternativas para a situação.

Governo monitora abastecimento do estado com greve nacional

Em seu quarto dia, a greve dos caminhoneiros cobra do governo Federal e do Congresso Nacional uma política para diminuição dos preços dos combustíveis. No Acre, o governo do Estado monitora a situação para que produtos essenciais de saúde e abastecimento de água possam chegar.

A greve é uma questão federal, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Advocacia Geral da União (AGU) estão em constante diálogo com os representantes da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam). Mesmo assim, o governo do Estado já busca alternativas para possíveis emergências de abastecimento, dada a experiência na gerência de crise ocorrida com a cheia do Rio Madeira, em 2014.

governo
Francisco Djalma e a equipe de governo se reuniram com empresários para avaliarem a situação – Foto/Sérgio Vale/Secom

Na Casa Civil, o desembargador e governador em exercício, Francisco Djalma da Silva, se reuniu com a equipe de governo para tomar as decisões necessárias. O superintendente em exercício da PRF, Simonarde Lima, passou um relatório do movimento até esta manhã. Ele informou que cerca de 100 caminhoneiros seguem parados.

Já à tarde, o governador em exercício se reuniu com o setor empresarial para avaliar os estoques de alimentos e outros materiais. Foi garantido pela classe que o estoque no estado está garantido para mais de 20 dias. Com relação a combustível, após a crise do Rio Madeira, os empresários passaram a ter uma estratégia para garantia de armazenamento, por isso, não há preocupação para os próximos dias.

“Diante do quadro atual, o governo já se antecipou e está tomando as providências para salvaguardar interesses da população do estado do Acre. Fizemos diversas reuniões, garantimos que as coisas estão andando dentro do melhor espírito normalizado”, declarou Djalma.

Em Brasília, o governador Tião Viana se reuniu, nesta quinta-feira, com outros governadores acompanhando cada passo da greve nacional.

Abastecimento de produtos na CEASA de Rio Branco se mantém normalizado

Com a greve dos caminhoneiros, mantidos os bloqueios nas rodovias do Brasil, o abastecimento e o estoque de alimentos industrializados no Acre pode ficar comprometido. A Central de Abastecimento de Rio Branco (CEASA) possui estoques de alimentos perecíveis suficientes para enfrentar por pelo menos quinze dias condições complexas de reestocagem de boa parte dos hortigranjeiros – como frutas, legumes e hortaliças – comercializados nos mercados da capital e parte do interior.

O diretor da CEASA Rio Branco, Jandson Rodrigues, lembra que, nos bloqueios, os caminhoneiros autorizam a passagem de ambulâncias, carros pequenos e cargas de alimentos perecíveis. “Na manhã desta quinta-feira, 24 de maio, chegaram oito carretas com perecíveis para abastecer os atacadistas que atuam na CEASA”, relatou Rodrigues.

Ou seja: mesmo que tenha de chegar de outro Estado, alimentos perecíveis não devem faltar na mesa do consumidor. Somente se os bloqueios se radicalizarem podem ocorrer falta de diferentes alimentos, prevê Jandson Rodrigues. Já os carregamentos de combustíveis e alimentos industrializados são retidos. Dos itens comercializados na CEASA, há finais de semana que são negociadas cerca de 500 toneladas de alimentos perecíveis diversos.

Inaugurada em 2010, pelo então prefeito Raimundo Angelim, a CEASA de Rio Branco é referência na comercialização da produção rural do cinturão verde da capital e de demais produtores rurais do Acre, como frutas, verduras, legumes, hortaliças e pescado.

{gallery}fotos/2018/05-maio/25052018/galeria_ceasa:::0:0{/gallery}

Governo vai ampliar abastecimento de água em Rio Branco com modernização de estação

Construída em 1976, a Estação de Tratamento de Água (ETA I), localizada no bairro Sobral, em Rio Branco, passará por uma grande modernização este ano promovida pelo governo do Estado. A ordem de serviço foi assinada na manhã desta terça-feira, 22, pelo governador Tião Viana. O investimento será de R$ 7,8 milhões e vai aumentar a capacidade de abastecimento da unidade para cerca de 40% da cidade.

A ação faz parte do planejamento do governo em investimentos para o saneamento básico do estado, o que tem contribuído para a melhoria dos índices de saúde e qualidade de vida. “No início de nosso governo, Rio Branco tinha 46% de cobertura de água e nós aumentamos em mais de 100%. Com isso, a mortalidade infantil caiu, a expectativa de vida aumentou e as internações hospitalares caem a cada ano, a partir de 2013”, afirmou o governador.

A relação entre saneamento e saúde pode ser vista ao apontar os dados. Em todo o estado, a rede de água passou de 300 quilômetros em 2000 para mais de 2.300 quilômetros em 2016, enquanto em Rio Branco a taxa de mortalidade infantil, um dos principais indicadores de qualidade de vida e de saúde, saiu de 21,81, em 2007, para 11,46 óbitos infantis (a cada 1.000 nascidos vivos) em 2017. E boa parte do avanço no saneamento do estado é fruto das obras do programa Ruas do Povo.

O diretor-presidente do Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa), Moisés Diniz, explica de forma simples o que significa a ampliação que será realizada na ETA I. “É como se a ETA I fosse, por exemplo, colocar água para mais um Segundo Distrito de Rio Branco, além de melhorar também a intermitência [intervalo entre o abastecimento] e entregar mais água para a população da capital.”

Desde que o antigo Sistema de Abastecimento de Água de Rio Branco (Saerb) passou para a administração do governo do Estado, tornando-se Departamento de Pavimentação e Saneamento (Depasa Rio Branco), um trabalho incisivo tem sido realizado para que não falte mais água nas casas, um problema histórico influenciado por vários fatores.

Agora, a ETA I passará a ter uma capacidade de produzir 17 milhões de litros por dia. Para isso, será realizada a implementação de nova captação com flutuante, adutora de água bruta, sistema de tratamento de lodo gerado pela unidade, reativação de cinco filtros e outras ações.