Connect with us

Cotidiano

Sinteac mobiliza trabalhadores para paralisação na próxima sexta-feira, 31

A reforma previdenciária proposta pelo governo Michel Temer, que coloca a idade mínima para aposentadoria para os 65 anos, o aumento do tempo de contribuição com a previdência, a aprovação, pela Câmara dos Deputados, da lei que permite terceirizar todas as atividades de uma empresa e as demais reformas trabalhistas, são assuntos que vêm sendo rejeitados por grande parte da população brasileira.

Published

on

A reforma previdenciária proposta pelo governo Michel Temer, que coloca a idade mínima para aposentadoria para os 65 anos, o aumento do tempo de contribuição com a previdência, a aprovação, pela Câmara dos Deputados, da lei que permite terceirizar todas as atividades de uma empresa e as demais reformas trabalhistas, são assuntos que vêm sendo rejeitados por grande parte da população brasileira.

Com base nisso, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Acre (Sinteac) realizou, na manhã da última segunda-feira (27), uma coletiva de imprensa como forma de convidar toda classe trabalhadora a comparecer na mobilização que ocorrerá na próxima sexta-feira (31), às 8h em frente ao Palácio Rio Branco.

Rosana Nascimento, presidente do Sinteac, afirma que ações como essa são necessárias como forma de tentar fazer com que os direitos trabalhistas não sejam alterados.

“Nós convidamos todos os trabalhadores, de todas as classes, para participar dessa luta que é uma luta de todos! É mais um dia em que todos os trabalhadores têm o dever de lutar para garantir sua aposentadoria, porque se essa PEC for aprovada, é o fim da aposentadoria para o povo brasileiro”, acrescentou.

Rosana destaca ainda que com as outras ações realizadas tanto no Estado como no restante do país, conseguiu-se mobilizar a base do presidente Michel Temer e que a classe dos professores não seria atingida pela PEC 287. “Os professores foram retirados da reforma da previdência, mas essa alteração ainda não consta no documento.

Advertisement

Mas reitero que todos os trabalhadores, de todas as classes, sejam servidores públicos, empregados de empresas privadas, movimentos sociais, todo mundo precisa comparecer à próxima manifestação”, finalizou.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *