Servidores da Educação fazem manifestação cobrando inclusão no PL do abono

Os protestos contra o PL, da forma como foi aprovado, acabaram por bloquear a Avenida Brasil, atrapalhando o trânsito na região, chegando a causar alguns engarrafamentos.

Na manhã da quarta-feira, 24, ocorreu uma manifestação em frente à Casa Civil, realizada por algumas dezenas de servidores públicos da educação. O objetivo era a inclusão dos mesmos no Projeto de Lei (PL) que concede um abono aos profissionais da Rede Estadual de Ensino, com recursos oriundos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB).

Os protestos contra o PL, da forma como foi aprovado, acabaram por bloquear a Avenida Brasil, atrapalhando o trânsito na região, chegando a causar alguns engarrafamentos.

Karolayne Gomes da Mota é assistente educacional, e estava presente na manifestação do dia 24, e falou um pouco sobre a negligência do governo em relação a classe. “Os assistentes educacionais nunca foram valorizados pela secretaria de educação, recebemos apenas um salário mínimo, para na prática, desenvolver a mesma função do professor do magistério, o mediador.”, disse Karolayne.

Ela ainda disse que essa ação foi injusta com diversos profissionais da educação. “ A educação vai do porteiro até a merendeira, é injusto da parte do governo não incluir os assistentes educacionais, já fomos deixados de fora do auxílio para comprar um notebook e do auxílio internet que foi repassado para professores e mediadores, mas nós também estávamos participando das aulas durante a pandemia.”, completou a manifestante.

Por outro lado, Rosana Nascimento,presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Acre (Sinteac), afirmou que não incluir esses profissionais no projeto foi uma maldade cometida pelo governo. “São funcionários de escolas que estão dentro do artigo 61 da LBD que a secretária ignorou. Eles têm que ser atendidos”, afirma Rosana.

Além disso, a presidente do sindicato pede que os mais de três mil funcionários que ficaram de fora sejam integrados aos mais de oito mil que receberão o abono.

Entretanto, de acordo com o governo estadual, o PL irá agraciar os profissionais da Educação básica do Estado do Acre em efetivo exercício, estão aptos a receber o benefício professores, especialistas em educação, coordenadores de ensino, coordenadores pedagógicos e gestores escolares. Serão investidos a princípio, quase R$17 mil, chegando a mais de R$160 mil ao todo. O PL segue para a Assembleia Legislativa para votação.