Prefeitura promove ações de conscientização durante a Semana da Água

A Prefeitura de Rio Branco, por meio da Escola de Educação Ambiental do Horto Florestal, que faz parte da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semeia), iniciou na tarde dessa segunda-feira (18) as atividades da Semana da Água.

A Escola de Educação Ambiental realiza em várias escolas uma palestra sobre ‘A Água nos Une, O Clima nos Move: considerações acerca dos impactos das mudanças climáticas no contexto local’. Os alunos do 8º e 9º ano, da Escola Zuleide Pereira de Souza foram os primeiros a receber a atividade.

O evento visa proporcionar uma troca de ideias com os estudantes sobre as mudanças climáticas e a inter-relação com recursos hídricos, com ênfase nos efeitos sobre a cidades e comunidades. A palestra foi ministrada pela educadora ambiental, Rayane Ribeiro.

O objetivo principal é conceituar, diferenciar e reconhecer os efeitos e as causas das mudanças climáticas e como esse fenômeno afeta diretamente a oferta de água. Portanto, proporcionar o debate nesse momento em que a cidade de Rio Branco passa por um evento climático extremo (enchente), ou seja, cenário de emergência climática, é tão oportuno.

“Atualmente estamos vivenciando o impacto das mudanças climáticas de forma mais incisiva em nosso cotidiano. Eventos extremos como secas prolongadas, enchentes, recordes de temperaturas já são uma realidade, o que gera uma necessidade urgente de tomada de consciência, mudança de comportamento e adaptação a essa nova realidade climática. Nós enquanto Escola de Educação Ambiental temos essa missão de dialogar com a sociedade civil, promover a conscientização das causas e consequências do atual cenário climático, com fito na mudança de comportamento coletivo”, explica Rayane.

A diretora da Escola de Educação Ambiental do Horto Florestal, Luzimar Oliveira, destaca a temática do Dia Mundial da Água que é “A Água nos Une, O Clima nos Move’.

“Esse tema é para a gente dialogar sobre a relação entre recursos hídricos e mudanças climáticas. E o papel da escola de educação durante a semana é promover a sensibilização da população para a educação climática, ou seja, instrumentalizar uma geração de indivíduos com o conhecimento necessário sobre as causas e efeitos das mudanças climáticas, bem como o conhecimento de soluções socioambientais para mitigar a crise climática, dispostos a usar as ferramentas adquiridas como transformação cultural e social para agir frente a essa crise”, esplanou Luzimar.

A Escola de Educação Ambiental busca atuar em diferentes frentes para que escolas, universidades, institutos federais e organizações da sociedade civil disseminem informações sobre as mudanças climáticas e fomentem ações práticas para enfrentá-las.

Segundo o secretário da Semeia, Carlos Nasserala, este foi primeiro dia de atividades que serão realizadas até sexta-feira, que é realmente o Dia Mundial da Água.

“Nossa função é mostrar a relação existente entre água, mudanças climáticas e meio ambiente. Tudo é interligado. Acabamos de sofrer uma enchente que é resultados das mudanças climáticas. A questão principal, nesse momento, é mostrar o que ainda pode ser feito para esses eventos extremos da natureza diminuírem e a Semana da Água é perfeita para isso”, disse Nasserala.