Praga do Mandarová ameaça plantações de mandioca na zona rural de Cruzeiro do Sul


Na comunidade de São Pedro, situada na zona rural de Cruzeiro do Sul, os produtores enfrentam uma séria preocupação com o retorno da praga do Mandarová às plantações de mandioca. Essa safra, de extrema importância para a economia local devido à produção de farinha de mandioca, está agora sob ameaça, deixando os agricultores apreensivos.

Alzenízio da Silva, um dos produtores locais que possui uma vasta plantação de mandioca, compartilha sua angústia diante da situação desafiadora: “Quando os ataques começaram, fiquei completamente perdido. Não tínhamos muitas informações, pois algo semelhante ocorreu cerca de cinco meses atrás, mas naquela época as lagartas estavam em estágio inicial, o que facilitava o controle. Agora, com a mandarová em estágio avançado, o uso de pulverizadores se tornou praticamente inviável para o controle.”

Silva destaca que uma das soluções adotadas foi a aplicação de inseticida por meio de drones, o que possibilitou salvar aproximadamente 70% da plantação. No entanto, o ciclo da praga é desafiador, especialmente após a fase em que a lagarta se transforma em casulo, tornando mais difícil interromper o ciclo e prevenir futuros ataques.

O agricultor relata que, dos 26 hectares de terra cultivados, cerca de 10 foram severamente afetados pela praga, resultando em danos significativos em sua fonte de renda. “Esta terra é arrendada e exigiu muito trabalho, desde a preparação do solo até o plantio. Muitas pessoas que trabalharam conosco se machucaram. Em apenas três dias, ver praticamente só talos de mandioca nos deixa impotentes”, lamenta Silva.

Diante desse cenário, torna-se crucial que os produtores estejam constantemente monitorando suas plantações para identificar quaisquer problemas desde o estágio inicial da praga, quando ainda está na forma de ovo. Essa vigilância contínua pode ser a chave para prevenir danos significativos e preservar as plantações contra futuros ataques.