Petrobras reduz preço do gás de cozinha para distribuidoras

Valor terá diminuição de 5,58% a partir deste sábado (9). Impacto para consumidor final é incerto, pois repasse depende de cada revendedor

A Petrobras vai diminuir o preço do gás de cozinha vendido às distribuidoras a partir de sábado (9). De acordo com o anúncio feito pela estatal nesta sexta-feira (8), o botijão de 13 kg terá preço médio de R$ 54,94, após uma redução de 5,58%. O valor médio por quilo vai passar de R$ 4,48 para R$ 4,23.

Segundo a empresa, a queda nas cotações internacionais do barril de petróleo e a taxa de câmbio justificam a redução. Não é possível afirmar se e como a diminuição vai chegar ao consumidor final, já que o repasse depende de cada revendedor. Pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis feita entre 27 de março e 2 de abril mostra que, para os consumidores finais, o botijão de 13 kg custa em média R$ 113,63 no país.

O último reajuste no preço do gás vendido pela Petrobras às distribuidoras havia sido feito no dia 11 de março. Na época, o preço médio de venda do produto às distribuidoras foi reajustado em 16,1%, passando de R$ 3,86 para R$ 4,48 por kg — o equivalente a R$ 58,21 por 13 kg.

O anúncio desta sexta (8) ocorreu no mesmo dia em que o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) informou a inflação de 1,62% para março, a maior para o mês desde 1994. O botijão de gás foi um dos produtos que puxaram o aumento inflacionário. Em março, houve uma alta de 6,5% no preço pago pelo consumidor final. Quando levado em consideração o período dos últimos 12 meses, a alta acumulada é de 29,56%.

A mudança no preço do gás de cozinha ocorre também em meio a um processo de troca no comando da Petrobras. O governo federal indicou na quarta-feira (6) José Mauro Coelho para a presidência da estatal, depois de o indicado anterior, Adriano Pires, ter desistido de assumir o cargo. Coelho trabalhou na Empresa de Pesquisa Energética e no Ministério de Minas e Energia. Anteriormente, ele já chegou a defender a política de alinhamento dos preços estipulados pela Petrobras com os índices do mercado internacional.

nexojornal