Palhaço Microbinho e sua Trupe, realiza oficina de circo no bairro Taquari

ABIGAIL SUNAMITA

Em meio a pandemia do novo coronavírus, o projeto ‘Palhaço Microbinho e sua trupe’ visa levar alegria a jovens e adultos fazendo, mesmo por alguns instantes, esquecer esse momento turbulento que o Acre vem passando. A oficina está sendo realizada no Centro Cultural do Taquari, no Segundo Distrito, desde o dia 15 de março e vai até dia 9 de abril.

O projeto ‘Palhaço Microbinho e sua trupe’ é financiado pela Lei Aldir Blanc, através da Fundação Elias Mansour e conta com a participação de Rogério Barcellos (professor) e os monitores Kleberson Gomes e João Paulo Nogueira.

O projeto tem objetivo inserir jovens e adultos na arte circense, instruindo e ensinando bases de algumas modalidades como malabarismo, monociclismo, perna-de-pau, acrobacias de solo, e outros.

FOTO: LUSIANE OLIVEIRA

Devido ao avanço da pandemia causada pela Covid-19 o grupo tem cumprido todas as medidas de segurança. Além de todos os cuidados relacionado a quantidade de pessoas no espaço, os alunos tem feito o uso de máscara, higienização dos materiais e uso constante de álcool para limpar as mãos.

Rogério Barcellos que é ator e palhaço desde criança, fala um pouco de suas expectativas para com a oficina:

FOTO: LUSIANE OLIVEIRA

“Sempre foi um grande sonho do nosso grupo realizar uma oficina de circo em nossa cidade. Eu desde pequeno trabalho com meu pai, o Palhaço Rufino realizando esse tipo de serviço nas periferias e era muito importante dar continuidade a esse legado deixado não só por ele, mas também por outros grupos circenses do nosso estado. Há muitos anos que não havia uma oficina de circo com essa abrangência de modalidades no Acre. Ficamos muito felizes de poder retomar esse tipo de trabalho”, disse o artista.

Desde 2014 o grupo “Microbinho e sua trupe” tem participado e feito diversas atividades pela capital do estado, sempre levando alegria e gargalhadas para o público adulto e infantil.

A oficina do Palhaço Microbinho conta com a participação de mais dois integrantes, João Paulo e Kleberson Gomes, ambos são palhaços.

FOTO: LUSIANE OLIVEIRA

“Quando eu era adolescente participei de uma oficina realizada pelo grupo “De olho na coisa”, e foi lá que eu tive o primeiro contato com a arte circense e isso mudou minha perspectiva de vida, me deu novos horizontes. Eu fico muito feliz por ter participado dessa oficina, foi através dela que hoje eu tenho minha profissão. Por esse motivo é muito importante fazer parte da realização desse projeto, vou poder fazer pelas outras pessoas o que fizeram por mim há anos. Espero poder mudar a vida das pessoas para melhor.”, disse.

A oficina foi feita através do auxílio financeiro ao setor cultural Lei Aldir Blanc que tem como principal objetivo apoiar profissionais da área que sofreram com impacto das medidas de distanciamento social por causa do coronavírus. 

Publicado em: Cultura, Destaque
  • Meu filho é demais …um artista fomentador do circo na minha cidade! parabéns Filhão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário