Organização criminosa se apropriou de 9 mil hectares de terras no P.A Monte

Durante investigação que culminou na Operação Constantino, encabeçada pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal, foi constatada a apropriação ilegal de 9 mil hectares de terras, por um grupo que recebeu a qualificação de “organização criminosa”, que existia entre os municípios de Boca do Acre e Lábrea, e atuava especificamente no Projeto de Assentamento do Monte.

De acordo com a acusação proferida pelo MPF, uma família liderava a invasão de terras públicas, em nome de outras pessoas. Na apuração dos fatos, foi constatado que várias propriedades rurais ilegais, que eram comandadas pelos líderes da organização criminosa, estavam em nome de outras pessoas, que serviam como laranjas.

Ainda conforme as investigações, 4 mil hectares da mata localizadas nas apropriações ilegais, foram queimados.

As investigações apuraram ainda que um servidor público do Incra, em Boca do Acre, que não teve o nome divulgado, foi preso durante a operação. O funcionário público era o responsável por “legalizar” as terras públicas invadidas pela organização criminosa.

Durante a operação, fazendas de Boca do Acre sofreram medidas judiciais.