Nascimento do poeta mais popular do Acre está completando 103 anos

Se estivesse vivo, o poeta acreano J.G. de Araújo Jorge completaria 103 anos no próximo sábado (20) de maio. José Guilherme de Araújo Jorge nasceu na Vila Seabra, hoje Tarauacá. Vindo de uma família ligada à política e à literatura, ele é o poeta mais popular do Acre. J. G. é sempre lembrado: nesta segunda-feira, 15, por exemplo, o acreano foi citado na coluna de Gessy Taborda, do portal Tudo Rondônia, de Porto Velho, lembrando seu lado filósofo: “A verdade é que me acomodei de tal modo em minha infelicidade, que quase sou feliz.”, citou Taborda, lembrando que o autor da frase foi escolhido como Príncipe dos Poetas e dos Prosadores Brasileiros.

Passou sua infância em Rio Branco, onde fez o curso primário no Grupo Escolar 7 de Setembro. Mais tarde, no Rio de Janeiro, realizou curso secundário nos colégios Anglo-Americano e Pedro II. Colaborou desde menino na imprensa estudantil. Foi fundador e presidente da Academia de Letras do Internato Pedro II, no velho casarão de São Cristovão, consumido pelas chamas muitos anos depois. Data dessa época, ainda ginasiano, sua primeira colaboração na imprensa adulta: em 1931, viu publicado seu poema “Ri Palhaço, Ri” no “Correio da Manhã”, depois transcrito no “Almanaque Bertand” de 1932.

Elegeu-se deputado federal em 1970 pelo antigo Estado da Guanabara, reelegendo-se já para o seu terceiro mandato em 1978. Ocupou a vice-liderança do MDB e a presidência da Comissão de Comunicação na Câmara dos Deputados. Em 1982, aderiu ao PDT de Leonel Brizola, e se reelegeu pela última vez por esta legenda, com 31.352 votos. Após romper com Brizola, em 1985, voltou para o PMDB, e foi derrotado nas eleições para a Constituinte, em 1986.