Mesmo com aglomerações, Boca do Acre não registra óbito por Covid-19 há 2 meses

Sem contar que o município faz parte do estado que teve o maior colapso no sistema de saúde por causa da Covid-19, com falta de oxigênio. Boca do Acre também faz divisa com o Acre, que há bem pouco tempo enfrentou dificuldades por conta do alto índice de contaminação.

Uns vão dizer que é sorte, outros que é a proteção de Deus, mas o fato é que Boca do Acre registrou a última morte por Covid-19, no dia 17 de março, há dois meses, mesmo com a cidade registrando aglomerações de toda forma e o cidadão já não fazendo questão de andar com a proteção da máscara.

As igrejas já estão operando com lotação máxima, a enchente fez os pontos alagados se tornarem balneários, e ultimamente, festas de casamento, aniversários, bares, boates, mesmo assim, as notificações de novos casos positivos não são expressivas, as internações acontecem de forma esporádica, ou seja, quando tem todos os elementos para o caos, Boca do Acre parece ter a situação sob controle.

Sem contar que o município faz parte do estado que teve o maior colapso no sistema de saúde por causa da Covid-19, com falta de oxigênio. Boca do Acre também faz divisa com o Acre, que há bem pouco tempo enfrentou dificuldades por conta do alto índice de contaminação.

Os números mostram que a estabilidade em Boca do Acre é evidente. Nos últimos 10 dias, a média de testagem positiva é de 1,9 pessoa contaminada. Desde a primeira notificação, no início de 2020, o município confirmou 2.499 casos, com 2.435 pessoas curadas, que dá 97,4% de cura.

Isso significa que menos de 100 pessoas estão contaminadas com a doença provocada pelo Novo Coronavírus, mais precisamente 64 infectados.