Jaminawa Arara denuncia violação de direitos nos EUA

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), realiza na sexta-feira, 17, em Washington, nova audiência sobre o Direito do Território de Comunidades Indígenas e Comunidades Rurais da Pan-Amazônia, momento em que organizações de defesa dos direitos indígenas denunciam série de casos que, segundo elas, atentam contra as comunidades. O cacique Rosildo da Silva, da tribo Jaminawa Arara, pede urgência na demarcação de suas terras no Acre. “Nós estamos sendo violados em nossos direitos como um todo, sobretudo, pela não demarcação de nossas terras e dos companheiros indígenas que são isolados e que se ouve proposta de alguns órgãos para serem contatados. Não tomaram conta nem de nós que fomos ‘civilizados’ há tantos anos”, disse Rosido à agências indígenas.

Lindomar Padilha, do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) do Acre, fez coro em relação ao caso dos Arara. “As terras indígenas do Acre estão com os processos de demarcação paralisados, assim como a terra dos povos isolados. Com isso, eles sofrem constantes invasões por parte de fazendeiros. Existe, também a questão das terras indígenas nas fronteiras em que há uma forte presença de narcotraficantes e madeireiros. Além dos projetos de exploração de petróleo e gás natural no Vale do Juruá, previstos para uma área considerada nascente de grandes rios que compõem a bacia Amazônica”, disse Padilha.