Informações dão conta de separação entre Zeca e Carlinhos

Uma crise política instalada dentro do governo municipal, pode ter culminado no racha entre o prefeito e o vice de Boca do Acre. Não foi diferente. É a famosa maldição do vice. Pois é, Carlos Afonso pode ter cortado as relações com o prefeito Zeca Cruz.

O fato aconteceu no meio da semana, quando Carlinhos da Farmácia chamou Zeca para uma conversa e pediu que ele tomasse uma importante decisão, que impactaria diretamente na continuidade da parceria.

Segundo informações de fontes seguras, ligadas ao governo municipal, que pediram para não serem identificadas por nossa reportagem, Carlinhos exigiu que Zeca escolhesse entre ele e o Secretário de Obras. Zeca tomou a decisão e o resultado foi a saída do vice-prefeito.

Carlinhos da Farmácia ainda não divulgou informações oficiais. A separação da dupla que concorreu em duas eleições se desfez depois de muitas tentativas por parte do vice-prefeito, de corrigir falhas graves do governo, que estão impactando negativamente na imagem da administração municipal.

Ingratidão
Há quem fale em ingratidão por parte do prefeito, que teve em Carlinhos, sua base de apoio total, desde a campanha de 2012, quando foram derrotados por Iran Lima, que depois viriam a dar o troco, quatro anos mais tarde, vencendo o então prefeito por mais de 3 mil votos de diferença.

No primeiro ano de mandato, Zeca e Carlinhos dividiam o mesmo espaço na prefeitura, atendendo ao público, traçando as metas do governo. Agora, prefeito e vice ficarão separados, talvez por uma sala, ou por distância ainda maior.

A saída de Carlinhos, para muitos, inclusive para os partidários do prefeito, significa um baque muito grande no governo. “Significa dizer que as coisas não estão caminhando como deveriam, que há falhas, que os erros estão tão às vistas que até o vice não suportou”, disse um dos apoiadores, que requer o anonimato.

Há também um reflexo eleitoral na saída de Carlinhos da Farmácia. Zeca corre o risco de chegar para a disputa de 2020 desidratado de apoios significativos, que estiveram em 2016 e por se sentirem insatisfeitos, deixaram o governo, ou nunca chegaram a fazer parte dele, como foi o caso do ex-vereador Jardemir Barbosa, que vestiu a camisa, mas acabou não tendo chance de trabalhar na gestão do atual prefeito.

Outros nomes como Alysson Lima, Dominguinhos, Adautivo da Silva, grandes empresários locais e, por último, Carlinhos da Farmácia, decidiram que sair do governo seria a melhor decisão.

Maldição do vice
Na história política recente de Boca do Acre, não se tem notícia da continuidade de um vice-prefeito, começando e terminando o mandato ao lado do prefeito. Do ano 2000 para cá, Iran Lima brigou com Dominguinhos, Manuel Barbosa foi anulado no segundo mandato de Iran Lima; Raimundinho cortou relações com Dorinha; Alysson Lima se afastou de Iran Lima e, por fim, Carlinhos não quebrou a sina e rompeu relações com Zeca.

AGOSTINHO ALVES