Feira do Peixe deve comercializar 150 mil toneladas até a Sexta-feira Santa

O evento ocorre durante o feriado da Semana Santa, que homenageia os passos derradeiros de Jesus Cristo na Terra

A Feira do Peixe encerra nesta sexta-feira (29) na Central de Abastecimento de Rio Branco (Ceasa). A Secretaria Municipal de Agropecuária (Seagro) prevê a comercialização de 150 mil toneladas de pescado, além de frutas, verduras, hortaliças e especiarias que estão à disposição dos consumidores. 

O evento ocorre durante o feriado da Semana Santa, que homenageia os passos derradeiros de Jesus Cristo na Terra – a última ceia na Quinta-feira da Paixão, a crucificação na Sexta-feira Santa, o Sábado de Aleluia e o Domingo da Ressurreição, quando é celebrada a Páscoa.

Prefeitura acredita que a Feira do Peixe deve comercializar 150 mil toneladas. (Foto: Evandro Derze/PMRB)

Nessa época, a comunidade da igreja católica substitui a carne vermelha pela branca como símbolo de respeito à morte do filho de Deus, que se sacrificou para salvar a humanidade dos efeitos do pecado original e garantir a vida eterna.

Nas três últimas semanas, a prefeitura organizou a Ceasa para atender o fluxo dos três dias de feira – de 27 a 29 de março, com a limpeza do espaço reservado às tendas, troca de lâmpadas, pode de árvores, roçado do entorno e pavimentação do estacionamento.

Para o secretário da Seagro, Eracides Caetano, a procura pelo pescado deve ser maior no feriado santo em comparação a outras datas comemorativas do ano.

Secretário Municipal de Agricultura, Eracides Caetano disse que o mercado está preparado para atender a demanda da Semana Santa. (Foto: Evandro Derze/PMRB)

“A população pode vir para comprar o seu peixe fresco, porque tudo aqui é feito na hora, e com um ótimo preço. Além disso, ainda temos banana, abacaxi, mamão, melancia e bastante hortaliças. Ou seja, a pessoa vem pelo pescado e aproveita para levar os ingredientes que vão deixar o preparo mais gostoso”, disse.

Para Rosivaldo Oliveira, dono de uma peixaria, a data é bastante aguardada para àqueles que trabalham na área da piscicultura por conta do aumento das vendas.

“A expectativa é vender bastante”, diz o peixeiro Rosivaldo Oliveira. (Foto: Evandro Derze/PMRB)

“Aqui na Ceasa é mais barato e temos uma grande variedade de peixes de qualidade, que é acompanhada pela vigilância sanitária. A nossa expectativa é vender bastante”, explica Oliveira.