Ícone do site Jornal Opinião

É difícil de acreditar

É difícil de acreditar

É difícil de acreditar

Algumas vezes penso que os políticos vivem num mundo paralelo onde eles são estrelas de cinema e tudo termina bem, bem pra eles e ruim para o resto da plateia. Deve ser nesse mundo paralelo que vive a ex-presidente Dilma, sim, a presidente que nos deixou com 12,3 milhões de pessoas desempregadas (pesquisa IBGE – PNAD Contínua divulgada no dia 31 de janeiro passado).

Tentar entender a cabeça da ex-presidente deve ser um estudo doloroso para a psicologia, mas podemos ter um prenúncio quando analisamos todas as medidas econômicas adotadas em seu governo, inclusive aquela que fez a energia baixar na marra, tendo como consequência a elevação ocorrida no ano passado e a indenização que vamos pagar no segundo semestre do corrente ano para todos os membros da cadeia energética brasileira.

Outra tarefa nada gloriosa é tentar entender as diretrizes daquilo que ficou conhecido como ‘Nova Matriz Econômica – NME’, o verdadeiro comando da gestão Dilma que acabou com a economia nacional e fez surgir a maior sequência de desemprego da história.

Dilma buscou fazer a distribuição da riqueza invertendo a ordem natural das coisas, achando que a NME seria a salvação da pobreza nacional. Deu no que deu!!! Como ela sempre achou que tudo estava certo e que suas ações e medidas visavam sempre melhorar a vida de todos (já que tinha uma visão paralela da economia e vivia num mundo separado da realidade), a locomotiva real da economia caminhava para o desemprego e endividamento das famílias brasileiras.

Mas graças aos ilustres deputados federais e senadores, pessoas brilhantes e que sempre pensaram no povo, Dilma foi embora para nunca voltar!!! Mentiraaa, ela afirmou na última sexta-feira (17) que pretende candidatar-se ao honroso cargo de deputado federal ou senador, pois essa seria a forma de continuar exercendo sua atividade política.

Veja que o mundo paralelo onde vivem os políticos é forte.

Imagine Dilma no parlamento nacional e suas proposições mirabolantes para acabar com o desemprego, com os juros bancários, com a energia cara, com os impostos (ops!!!) e com a corrupção.

Dilma e seu mundo paralelo ou virtual é capaz de tudo, inclusive de ganhar uma eleição para o legislativo. Já não basta os que lá estão fazendo o que fazem com povo brasileiro, ainda teremos que aturar as ideias tresloucadas da ex-presidente.

A população não suporta mais tanta mediocridade, hipocrisia e mentira. Daqui alguns meses estaremos novamente exercendo o direito mais sagrado da Democracia, o voto. Com ele poderemos alertar os políticos de que queremos mais seriedade, honestidade e respeito com a COISA PÚBLICA.

Os nobres agentes políticos devem entender de uma vez por todas, que não será mais tolerado o desvio de função que coloca o interesse privado em prol do público. A segurança, a saúde, a moradia e a educação, DIREITOS básicos que foram elevados como direitos FUNDAMENTAIS de todos os brasileiros pela Magna Carta, devem ser definitivamente implantados e respeitados a partir de agora por todos os políticos que desejam representar o povo brasileiro.

Não podemos continuar aceitando os desmandos e malfeitos.

O Brasil é dos brasileiros e nunca será dos políticos de plantão. O Ministério Público sozinho não fará milagres, poderá apenas mostrar a lama, cabendo a nós decidirmos se pavimentamos nossa estrada ou se afundamos na lama escancarada do Planalto Central.

Ser representado no Congresso Nacional pela ex-presidente Dilma, é continuar agravando o sofrimento, afinal, nós que vivemos no mundo real com 12,3 milhões de pessoas desempregadas (quarto trimestre de 2016), num crescimento de 2,7% quando comparado com o trimestre anterior e de 36% com o mesmo trimestre de 2015.

O malabarismo perpetrado pelo governo Dilma para resolver a crise criada pela Nova Matriz Econômica foi o pior.

Subsidiar a produção sem uma contrapartida, gerou a maior crise fiscal e financeira. A União vive de uma arrecadação em migalhas e precisa criar obstáculo ao contribuinte e em todo o sistema tributário para ver se a arrecadação cresce.

Um exemplo do desespero do governo federal pode ser constatado na instituição do bônus da Receita Federal que será pago com o dinheiro das multas. Estimula-se o auditor-fiscal a multar indiscriminadamente para aumentar a arrecadação e minorar o estrago do déficit primário, invertendo, mais uma vez, a ordem natural das coisas.

Assim, quando leio ou escudo que a ex-presidente Dilma pensa em buscar uma vaga no parlamento nacional, fico estarrecido com a capacidade dos políticos de viverem num mundo surreal, de beleza e sentimentos puros. É difícil de acreditar que uma pessoa sem capacidade gerencial comprovada, pode ainda pensar ou imaginar em galgar um cargo público eletivo no Congresso Nacional. Que Deus abençoe o Brasil!!!

Marco Antonio Mourão de Oliveira, 40, é advogado, especialista em Direito Tributário pela Universidade de Uberaba-MG e Finanças pela Fundação Dom Cabral-MG.

Sair da versão mobile