Conta de energia passa para bandeira vermelha em abril, afirma Aneel

A taxa de energia pula da bandeira amarela a partir deste mês e fica mais cara para o consumidor, ou seja, a cada 100 quilowatts hora consumidos será pago R$ 3.

A bandeira vermelha que começa a valer em abril anuncia que não é hora de bobear com os excessos. Segundo o governo, a medida ocorre por causa do baixo nível dos reservatórios do país, principalmente os da região norte.

Para a aposentada Maria Ferreira, 62 anos, a situação só piora para quem trabalha e vive de salário mínimo. “Eu e minha mãe somos diabéticas e precisamos de alimentação especial e tentamos economizar de todas as formas e no final do mês a gente vê que a luz aumentou é difícil.”

A aposentada conta que em casa mantém sempre as lâmpadas apagadas se não estiver no cômodo, na TV assiste apenas o jornal à noite. “A gente tenta economizar, mas aí além de aumentar ainda não vemos o retorno das taxas que pagamos. A luz do poste de frente de casa, por exemplo, não acende”, comenta.

A bandeira vermelha foi acionada pela última vez em fevereiro do ano passado, mas em março deste ano, a bandeira amarela já sinalizava que viria um possível aumento.

A falta de chuva fez com que o nível dos reservatórios caísse e para manter a distribuição, mais usinas térmicas precisaram ser ligadas o que acaba gerando um custo maior de geração de energia.

“No momento de crise que estamos aumentar a energia fica ruim. Mas como sempre quem paga a conta é a gente e infelizmente a situação não é está fácil”, comenta Antônia Rocha, 32, mãe de quatro filhos que ficou desempregada há uma semana.

Para Antônia é lamentável a situação, visto que só o trabalhador, ou mesmo os desempregados é que sofrem com os reajustes.