Connect with us

Boca do Acre

Compasso abandonou Boca do Acre? Empresários alegam calote

Published

on

Proprietários de equipamentos pesados, como caçambas, tratores e caminhões-pipa, levantaram graves acusações contra a empresa Compasso Construções Terraplanagem e Pavimentação e o governo do Estado do Amazonas. Eles alegam falta de pagamento do aluguel de veículos contratados para a pavimentação asfáltica em bairros de Boca do Acre (AM).

Em parceria com o governo amazonense, a administração municipal de Boca do Acre consolidou um contrato avaliado em mais de R$ 26 milhões, sob o número 035/2022, no decorrer de 2022. A Compasso Construções foi a empresa selecionada para a execução das obras.

Um dos proprietários de equipamentos, que preferiu não se identificar, relatou que, além de não finalizar a pavimentação, a empresa abandonou o município sem efetuar o pagamento pelo aluguel dos veículos. Ele ainda menciona que, em um determinado mês, a Compasso retirou os materiais de obra durante a noite, sem fornecer explicações aos fornecedores locais.

“De repente, a empresa retirou os equipamentos em plena madrugada, sem deixar rastros ou justificativas. Com a demissão do engenheiro responsável e da equipe, ficamos à espera de uma explicação sobre como a empresa alega não possuir fundos para nos pagar”, expressou o denunciante.

Vale ressaltar que esta não é a primeira vez que a Compasso Construções se vê envolvida em controvérsias relacionadas a obras inconclusas financiadas pelo governo estadual. Em 2023, problemas semelhantes foram reportados em relação às obras de reforma da rodovia AM-010, sob responsabilidade do consórcio AM, do qual a Compasso faz parte.

Advertisement

A empresa também é remunerada pelo programa Asfalta Manaus, cujos custos superam R$ 818 milhões, porém, de acordo com o “Asfaltômetro”, até março de 2024, apenas 2.794 das 10 mil ruas prometidas foram pavimentadas.

Dados da Receita Federal indicam que a Compasso Construções tem sede na Avenida Torquato Tapajós, zona Centro-oeste de Manaus, sendo propriedade de Antônio Militão de Souza Neto e Zaira Rocha Simões de Souza.