Connect with us

Boca do Acre

Bocacrenses ficam impressionados com a Festa do Sol e com a cidade de Lábrea

Published

on

Na semana passada, um significativo número de bocacrenses andou mais de mil quilômetros até a cidade de Lábrea, passando pelo estado do Acre e Rondônia, para depois se dirigir à vizinha, que apesar de ter o território que faz divisa com Boca do Acre, tem a sede do município a uma distância considerável. Para cumprir esse trajeto, eles iniciaram a viagem pela BR-317, acessando a BR-364 até Rondônia, e já em solo rondoniense, a BR-319 levou até o entrocamento com a BR-230, que encaminhou os turistas até o solo labrense.

Mas qual o motivo dessa aventura? Assistir a Festa do Sol. Outro detalhe é que 2023 foi o ano que mais registrou a presença de moradores de Boca do Acre no evento. E por que essa migração em massa? Não foi somente pelo evento, apesar de ser um acontecimento minuciosamente organizado, mas fundamentalmente porque Boca do Acre tem uma gestão sem nenhuma responsabilidade com a cultura local, que foi incapaz de realizar o nosso famoso, e agora saudoso, Festival de Praia.

Quem daqui saiu para Lábrea, ficou impressionado com a cidade, o evento, a estrutura, a recepção, entre outras coisas que deixaram o bocacrense impactado. O Jornal Opinião conversou com algumas pessoas que estiveram na Festa do Sol, que não fizeram cerimônia ao comparar os municípios e os eventos que ambos realizam.

A visão de quem lá esteve

Advertisement

Júnior da Eloniza, grande empresário, pecuarista e piscicultor, relatou que Lábrea é exemplo de organização quando há a comparação com Boca do Acre. “É uma cidade que é nossa vizinha, está ao nosso lado, e lá as coisas funcionam. A cidade é organizada, com um prefeito que trabalha em prol do município, que dedica os recursos para manter ruas limpas, salários em dias, pagamento de fornecedores, e ainda sobra dinheiro para fazer um evento de dar inveja, que é a Festa do Sol”, disse o empresário.

Júnior destacou a valorização que a Festa do Sol dá para os traços culturais de Lábrea. “Não se trata somente de uma festa, de bebedeira, de cantoria. É um evento pensado e realizado nos mínimos detalhes, com o foco total na cultura de Lábrea, com forte apelo à preservação ambiental, entre outras questões que fazem esse evento ser muito maior do que a gente pode imaginar”, destacou Júnior.

Quem também conversou com a gente foi a estudante de Direito e também empresária de Boca do Acre, Bianca Matouza, de 23 anos de idade. “Só tenho elogios. Eles quiseram chamar nossa atenção para conscientização ambiental, tinham placas espalhadas pela praia feitas de material reciclável. Inclusive o que me chamou bastante a atenção foram os biquínis usados pelas meninas que estavam concorrendo ao desfile de Garota Sol, elas usaram biquínis confeccionado de material reciclável sacola e crochê. Foi proibida a entrada na praia de garrafa de vidro, o que ajudou muito a preservação da praia limpa, coisa que não se vê em nosso município de Boca do Acre”, relatou a estudante.

“Se olhamos no histórico de cantores que já passaram por Lábrea, só tem cantor super famosos, o que gera o desejo da visitação de novas pessoas ao município, e com isso gera um crescimento e movimentação da economia”, ressaltou.

Bianca não se furtou a opinar a respeito da não realização do maior evento de Boca do Acre. “Eu acho uma falta de respeito com a população de Boca do Acre. Não teve nem ao menos uma nota de esclarecimento pra população por parte do prefeito, tem gente que espera o ano todo pra esse evento principalmente os lojista que pediram suas coleções de roupa na expectativa de muitas vendas”, criticou Bianca.

A Festa do Sol teria a apresentação do cantor Wesley Safadão, que cancelou o show por ter sido acometido de uma crise de ansiedade. Mesmo com a ausência da atração mais aguardada, o evento não perdeu o brilho, os banhistas não perderam a empolgação e lotaram as areias da Praia de Lábrea e fizeram a festa acontecer.

A Festa do Sol acontece ininterruptamente há 31 anos. A única ocasião em que o evento deixou de acontecer, foi em 2020, no ápice da pandemia da Covid-19.

Advertisement
Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *