Auxílio Emergencial: veja orientações para sobreviver com esse valor

Paulo Ucelli

Para muitos brasileiros que estão desesperados por causa da crise da Covid-19 existe uma pequena luz no fim desse túnel, sendo que deverão ser pagas nos próximos dias as novas parcelas do auxílio emergencial para parte da população.

Esse dinheiro será distribuído para um grupo bem amplo de trabalhadores autônomos, informais e com renda intermitente inativos (que têm vínculo de trabalho, mas não estão trabalhando por falta de demanda).

Foi anunciado que o menor valor a ser pago seria de R﹩ 175. Contudo, ficou acertado que a menor parcela será de R﹩ 150, podendo chegar a R﹩ 375, o valor médio será de R﹩ 250. Receberão o valor o público do Bolsa Família os inscritos no Cadastro Único e os trabalhadores informais.

Mas o que fazer com esse dinheiro

Esse dinheiro pode ser uma tábua de salvação para milhões de brasileiros, mas é preciso saber utilizar com inteligência. Não se pode gastar de forma aleatória, é preciso de foco e saber o que priorizar nesse momento. Muita gente gastou de forma errada no ano anterior.

Nada de desespero e de sair pagando dívidas e contas, é um momento excepcional e para isso as decisões não podem ser as mesmas que tomamos em outros períodos. Até mesmo deixar de pagar algumas contas pode ser a solução nesse momento.

“Muitas contas podem ser postergadas, como está acontecendo em relação de água e energia, outras devem ser repensadas e ainda tem as que devem ser renegociadas, como pode ocorrer no caso de aluguéis. Pontos como TV a Cabo, streaming, dentre outros devem ser eliminados, excessos também. precisamos rever nossa vida totalmente, por mais que seja por apenas três meses. É preciso comprar apenas o estritamente necessário, nunca foi tão importante evitar desperdícios. Repensar costumes e vícios”, explica o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (ABEFIN), Reinaldo Domingos.

Ele complementa que “o valor pode não parecer muito em um primeiro momento, mas se for o que se tem, vai ter que se adequar e viver com isso. Tenha a certeza de que com planejamento e organização, é possível se adequar. Uma importante orientação é que, por mais que possa parecer difícil, tudo vai passar”.

Para quem está nessa situação é preciso pensar, em um primeiro momento, nas necessidades básicas em relação às despesas, viver numa operação de guerra. Pensando nisso, Domingos orientou em relação a algumas ações que podem ser tomadas:

• – É fundamental nesse momento reunir a família, abrir a realidade e pensar em ações conjuntas de redução;

• – Este é o momento de focar na alimentação básica sem luxos é supérfluo, opte pelos produtos básicos, com custos menores e esqueça marcas e outras questões que possam elevar o preço;

• – Caso tenha, é fundamental proteger a reserva financeira, é preciso ter dinheiro, ele vale muito mais meses momentos;

• – Avalie a possibilidade de postergar o pagamento de energia, água e gás, em muitos casos esses não serão cortados em função da crise;

• – Busque suspender pacotes TVs a cabo e reduzir também os pacotes de telefone e Internet é fundamental buscar por redução sem corte, mas lembrando que ode precisar de ferramentas para trabalho ou procura;

• – Não comprar roupas e acessórios qualquer nesse momento, valorize o que já se tem;

• – Buscar por atividades que não envolvam custos, ao estar em casa pode buscar principalmente a capacitação;

• – Nada de compras coisas que não sejam essenciais

• – Em casos de dívidas, analisar individualmente e, se possível, suspender o pagamento ou renegociar as prestações, nada de gastar o pouco de reserva financeira que possa ter;

• – Exercite o desapego, busque por produtos em casa que possa ser vendido e arrecadar algum dinheiro, mesmo que seja valor baixo, use ambientes de venda online;

• – Busque pelo aprimoramento de sua atividade fim ou em um nova que esteja estudando atuar;

• – Faça sua inscrição em planos de desempregados, ou rendas baixas, o governo está com situação de adesões emergenciais;

• – Se tiver for informal ou tiver MEI ou pequena ou microempresa, buscar linhas apoio que o governo está oferecendo,

• – Se tiver cartão de crédito e faturas que não tenha como saldar ou que vão comprometer seu caixa e sua reserva, o melhor a fazer é ligar para o credor e dizer “devo, mas não posso pagar agora”;

• – Caso necessite fazer empréstimos, evite a quaisquer custos linhas como cheque especial e cartão de crédito que possuem juros exorbitantes,

• – Buscar por uma possibilidade de renda mesmo estando dentro de sua casa.