Mesa Brasil do Sesc e Fiat Comauto doam 635 quilos de alimentos no mês de novembro

Em novembro, a ação coletou os alimentos não-perecíveis nas próprias concessionárias, de modo que os produtos foram repassados ao Mesa Brasil do Sesc

O Mesa Brasil do Sesc e a Fiat Comauto entregaram, na terça-feira, 29, 635 quilos de alimentos transformados em cestas básicas, a entidades atendidas pelo Programa Mesa Brasil em Rio Branco. Os mantimentos foram coletados por meio da ação “A Paixão Alimenta”, promovida ao longo dos meses de novembro e dezembro.

Em novembro, a ação coletou os alimentos não-perecíveis nas próprias concessionárias, de modo que os produtos foram repassados ao Mesa Brasil do Sesc.

Duas instituições foram contempladas: a Associação Amigos do Peito, casa de acolhimento que recebeu 341 quilos de alimentos;  e a Associação  dos Pais e Amigos  dos Excepcionais (APAE), com 294 quilos de alimentos não-perecíveis.

De acordo com o sócio-administrador da Fiat Comauto, Leonel Soncin Junior, a empresa se compromete com a relevância social.

“Desde o início, a marca age em prol de uma mobilidade mais inclusiva, contribuindo para reduzir problemas sociais. Portanto, fazer a diferença é algo que sempre nos acompanhou. O “Paixão Alimenta” foi ao encontro desse propósito”, destaca.

A coordenadora do Mesa Brasil no Acre, Marizete Melo, acompanhada pela assistente social do programa, Eliana Lima, reforça que esta é mais uma parceria com frutos.

“Quanto mais parceiros, mais pessoas iremos assistir. Neste momento pandêmico, de tantas pessoas que estão passando necessidade, só temos a agradecer e dizer que a base de sustentação do Mesa Brasil são as parcerias. Ficamos muito felizes e estamos aqui hoje fechando essa parceria nacional de sensibilização aos colaboradores e clientes com alimentos não-perecíveis”, finaliza.

Ifac tem funcionamento comprometido após bloqueio orçamentário

Bloqueio de cerca de R$ 1,9 milhões nas contas do Ifac, além de R$ 3 milhões de Termo de Execução Descentralizada, prejudica as ações desenvolvidas na instituição

O novo bloqueio orçamentário por parte do Governo Federal, anunciado pelo Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal (Conif) e que atinge as Instituições de Ensino Superior, trará sérios prejuízos para o Instituto Federal do Acre (Ifac).

Realizado na segunda-feira (28.11), em pleno horário do jogo do Brasil na Copa do Mundo, o bloqueio nas contas das instituições de ensino superior do país, atingiu o Ifac no equivalente a R$ 1.939.452,91, em relação a repasses realizados pelo governo federal.

Além disso, R$ 3.113.041,39, que são oriundos de Termos de Execução Descentralizada (TED) e que tinham sido definidos para liberação até o final de 2022 com a Secretaria de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Setec), serão bloqueados. 

Os valores bloqueados mostram que as ações desenvolvidas pelo Ifac nas áreas do Ensino, Pesquisa e Extensão, além do pagamento de segurança, limpeza, energia elétrica, diárias e passagens sofrerão um grande impacto neste final de ano.

A reitora Rosana Cavalcante dos Santos e o pró-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional (Prodin), Ubiracy da Silva Dantas, fizeram uma avaliação do impacto no dia a dia da instituição.

“Desde as aulas práticas, que terão que ser desmarcadas, até a mudança da Reitoria para o novo prédio, prevista para este final de ano, sofrerão com o bloqueio. Além disso, despesas essenciais para o funcionamento do Ifac estão comprometidas, inviabilizando o papel primordial da nossa instituição, que é oferecer educação pública, gratuita, de qualidade e inclusiva para a sociedade”, destacou Rosana Cavalcante dos Santos.

“Estes recursos, oriundos de TEDs, têm destinação certa: a instalação dos Laboratórios IFMaker, aquisição de mobiliários para a nova Reitoria e para a realização de cursos voltados para a Educação de Jovens e Adultos. Com o bloqueio, o Ifac não poderá realizar estas ações, prejudicando não só a instituição, como também a sociedade”, destacou Ubiracy Dantas.

Veja abaixo, o quadro com os valores de Termos de Execução Descentralizadas (TED) que o Ifac tem para receber até dezembro de 2022:

– Laboratórios IFMaker: R$ 468.499,52
– Mobiliários para Reitoria: R$ 1.067.541,87
– Educação de Jovens e Adultos: R$ 1.577.00,00
– Total: R$ 3.113.041,39

Com a decisão do Governo Federal, por meio do Ministério da Educação (MEC), de retirar todos os limites de empenho distribuídos e não utilizados pelas instituições, enquanto define um valor efetivo para o bloqueio orçamentário, o Ifac terá que refazer e reavaliar todos os empenhos.

“Diárias e passagens também serão canceladas, caso não tenham sido realizadas, com prejuízo para alguns eventos fundamentais planejados para este final de ano. Vamos rever somente os prioritários e os demais, iremos cancelar”, enfatiza Ubiracy Dantas.

Dentre os diversos prejuízos que o Ifac terá, destaca-se, ainda, a perda de contratos e que deverão ser licitados novamente, caso não seja revisto o bloqueio orçamentário.

Esta não é a primeira vez que o Ifac e as instituições de ensino superior têm recursos bloqueados. Desde maio deste ano, por exemplo, o Ifac tem sofrido com bloqueios orçamentários.

Veja abaixo o histórico de bloqueios em 2022 apresentado pela Prodin:

unnamed.png

Comissão da Câmara aprova doação de terras da União para o Acre

O governo do Acre alcançou mais uma vitória visando conseguir que a União doe, para o Estado, 155 mil hectares de terras remanescentes da Gleba Seringal Afluente, entre Feijó e Tarauacá, para implantar uma unidade de conservação sustentável na região. Um projeto de decreto legislativo com esse objetivo foi aprovado pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados, na última quarta-feira, 23.

O projeto, de nº 335/21 e que já foi aprovado no Senado, é de autoria da senadora e vice-governadora eleita Mailza Assis da Silva e atende pedido do governo do Acre. “A doação dessas terras para o Estado já tem posição favorável do Ministério da Economia e do Conselho de Defesa Nacional, mas também precisa da aprovação da Câmara, além do Senado, porque abrange área de fronteira”, explicou o representante do governo em Brasília, Ricardo França, que trata do assunto na capital federal.

A implantação da unidade de conservação integra ações da segunda fase do Programa de Desenvolvimento Sustentável do Acre, o PDSA II, desenvolvido em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Conforme Ricardo França, além de contribuir com os objetivos do programa, a implantação da unidade de conservação é compromisso assumido pelo Estado em contrato de empréstimo feito em 2013 junto ao BID, no valor de US$ 120 milhões, sendo US$ 72 milhões financiados pelo banco e US$ 48 milhões de contrapartida do governo.

O problema, explicou o representante, é que as terras indicadas pelos gestores daquela época para implantar a unidade de conservação pertencem à União, o que inviabiliza a ação. “O governo vem buscando a doação dessas terras para regularizar a situação e poder implantar a unidade, avançando, cada vez mais, no desenvolvimento sustentável do Acre, além de cumprir com o compromisso com o Banco Mundial e evitar que o Estado fique inadimplente”, explica.

Articulações

Foi com esse objetivo que o governo solicitou a apresentação do projeto de decreto legislativo pela senadora Mailza Assis da Silva. “À exemplo da parceria e apoio costumeiro ao governo em favor do Estado, a senadora atendeu o pedido e se empenhou pela aprovação da medida no Senado”, afirmou Ricardo França.

A necessidade foi relatada por França para o relator do projeto na Comissão de Agricultura da Câmara, deputado Pedro Lupion, pedindo a urgência e aprovação da proposta, conforme ocorreu na quarta-feira. O projeto ainda será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara, seguindo depois para análise pelo plenário.

TSE marca diplomação de Lula e Alckmin para 12 de dezembro

Cerimônia marca fim do processo eleitoral
REUTERS/Carla Carniel

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou que a diplomação do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, e do vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin, será realizada no dia 12 de dezembro, às 14h, no plenário da Corte. 

A diplomação é uma cerimônia organizada pela Justiça Eleitoral para formalizar a escolha dos eleitos nas eleições e marca do fim do processo eleitoral. Com o diploma eleitoral em mãos, os eleitos podem tomar posse no dia 1° de janeiro de 2023. O documento será assinado e entregue pelo presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes

O TSE é responsável pela diplomação dos candidatos à Presidência da República. Os deputados, senadores e governadores são diplomados pelos tribunais regionais eleitorais (TREs).

De acordo com o tribunal, a cerimônia seguirá recomendações sanitárias, como uso de máscara de proteção facial e distanciamento social.

Presidente em exercício da Aleac, Jenilson recebe MPAC em audiência pública

O deputado Jenilson parabenizou o MPAC pelas ações desenvolvidas

O presidente em exercício da Assembleia Legislativa do Acre, deputado estadual Jenilson Leite (PSB), conduziu uma audiência pública, na manhã desta quarta-feira (30), com a participação de representantes do Ministérios Público do Acre (MPAC), que apresentaram os projetos que atualmente são desenvolvidos pela Instituição e pedir apoio do legislativo.

Representando o procurador-geral do MPAC, Danilo Lovisaro, a doutora Marcela Cristina falou sobre os 127 projetos que o MPAC desenvolve atualmente e pediu a colaboração da Assembleia Legislativa para

“Em nome do MP trago hoje a apresentação de projetos institucionais. A elaboração de ideações é a parte em que eu gostaria de pedir, na medida do possível, a colaboração dos senhores para aumentar a capacidade de efetivação dos direitos dos cidadãos. Temos atualmente 127 projetos em andamento, por isso pedimos a atenção para alguns especiais e, assim, possamos efetivá-los da melhor forma”, explicou.

Entre os projetos estão o conjunto de ações do GT-TEA, que visa promover o diálogo com a sociedade e poder público, para fazer um diagnóstico da realidade em relação ao atendimento a pessoas autistas no Estado, construindo uma plataforma de trabalho articulada entre diferentes setores.

Também o projeto “Proteja Mulher”, que tem como intuito mobilizar e articular os diferentes níveis de governo e sociedade para o reconhecimento acerca da realidade da violência doméstica e do feminicídio, além da elaboração de uma agenda comum para o enfrentamento a essas violações de direitos.

O deputado Jenilson parabenizou o MPAC pelas ações desenvolvidas.

“Uma instituição que para além de se preocupar com a sua atividade judicial, que não é pouca coisa está se dispondo a desenvolver um projeto que poderia estar sendo desenvolvido de forma conjunta pela Secretaria Estadual de Saúde juntamente com as secretarias municipais de saúde, que representa mais à frente um resultado que pode levar à criação de um sistema de saúde com a capilarizarão maior, com a capacidade de diagnóstico maior, mais ágil no tempo ainda que as crianças respondem melhor às terapias de forma que daqui alguns anos a gente tenha um estado do Acre com uma política pública voltada para essa área do cuidado com as crianças com transtorno do espectro autista muito mais eficiente, que ao final , as crianças começarem a crescer, elas se beneficiam muito das terapias que são colocadas ainda no início da identificação dos problemas. Então, parabéns ao Ministério Público pela iniciativa”, destacou o presidente.

Leo de Brito reúne especialistas do Acre e recebe contribuições para a transição do governo Lula

O encontro contou com a presença de pesquisadores de diversas instituições e da sociedade civil

Os Grupos Técnicos do governo de transição têm adotado a prática de reuniões com representantes de instituições e da sociedade civil para escuta e coleta de propostas que possam contribuir com o novo governo.

Neste sentido, o deputado federal Leo de Brito (PT-AC), membro do Grupo Técnico de Ciência, Tecnologia e Inovação da Transição, promoveu nesta terça-feira, 29, um encontro com pesquisadores, especialistas e representantes de diversas instituições do Acre e da sociedade civil para debater os desafios da área.

“Reunimos um quórum muito qualificado do nosso estado para discutir a problemática e possíveis soluções para essa área tão importante e estratégica para o desenvolvimento de um país. Uma das recomendações do presidente Lula é de possamos ouvir o máximo de pessoas e receber colaborações para o processo de reconstrução do Brasil”, salientou o parlamentar.

Leo de Brito, que teve seu nome anunciado pelo coordenador da Transição, vice-presidente eleito Geraldo Alckmin dia 22 de novembro, explicou que o GT da Ciência, Tecnologia e Inovação foi subdividido em 14 áreas e que os trabalhos estão em fase de diagnóstico para compor o relatório final que será entregue na primeira quinzena de dezembro.

Representando a Embrapa Acre, o pesquisador Eufran Amaral destacou os prejuízos causados pelo processo de desmonte e os sucessivos cortes de recursos para investimentos em ciência e tecnologia nos últimos anos.

“Para se ter uma ideia, hoje a Embrapa Acre trabalha com 30% dos recursos de 10 anos atrás, é urgente a previsibilidade dos recursos para as instituições, assim como investimentos e financiamentos específicos para pesquisa, fortalecimento de laboratórios, entre outras ações estratégicas para essa área, só assim vamos poder contribuir com o desenvolvimento do nosso país”.

Josimar Batista, vice-reitor da Universidade Federal do Acre, também deu ênfase aos prejuízos causados pelos contingenciamentos de recursos para a educação e a falta de investimentos para a ciência e a pesquisa.

“É urgente a recomposição do fomento para a ciência e tecnologia, também é necessário um olhar diferenciado para a soberania da Amazônia e sua sustentabilidade, assim como forte investimento e melhoria nos nossos laboratórios que hoje estão sucateados, maquinários obsoletos pela falta de fomento. Nós temos um quadro técnico de docentes e pesquisadores qualificados e atuantes, mas que não encontram amparo e apoio para fomento em razão dessa escassez de recursos e falta de investimentos”.

Outro ponto levantado pelo vice-reitor da Ufac se refere aos programas de Bolsas Estudantis e a necessidade de restabelecimento de parceria e investimento em pesquisa também por parte do governo do Estado.

Participaram do encontro representantes da Universidade Federal do Acre, Embrapa, Instituto Federal do Acre, Sebrae, Tribunal de Contas do Acre, entre outras instituições.

Vereador denuncia que duas secretarias municipais de Boca do Acre tiveram energia cortada

Através de suas redes sociais, o vereador Jansen Almeida, informou que duas secretarias municipais importantes do Poder Executivo de Boca do Acre, tiveram o fornecimento de energia elétrica interrompido, por falta de pagamento. Ou seja, como se diz popularmente, a luz foi cortada nas secretarias de Saúde e Assistência Social.

Eu

Outro prédio que é responsabilidade do município e que também teve a energia cortada, é a Rodoviária Municipal, que se tornou ponto oficial dos taxistas que fazem o trajeto Boca do Acre/Rio Branco.

Jansen garantiu que tinha todas as confirmações do que estava sendo afirmado. Em suas postagens nas redes sociais, o parlamentar de oposição pedia intervenção estadual urgente, diante da falta de governabilidade do prefeito de Boca do Acre.

Em conversa com o Jornal Opinião, Jansen disse que o problema não é só o corte da energia, mas a paralisação de serviços essenciais que são feitos pelas secretarias.

O vereador lembrou ainda que a sede do Piquiá da Secretaria Municipal de Cultura, que agora está funcionando em prédio alugado, no Centro da Cidade, também está sem energia elétrica.

Depois de passar por transplante de fígado, Michel tem alta da Fundhacre

O filho de Boca do Acre, Francisco Michel Fernandes de Souza, 47 anos, mais conhecido no município amazonense somente por “Michel”, recebeu alta da Fundação Hospital Estadual do Acre (FUNDHACRE), após de ter cumprido 11 dias de internação, depois da transplantação de fígado, ou seja, o bocacrense, que tinha seu quadro de saúde bastante agravado, ganhou vida nova após receber o órgão.

“Primeiro agradeço a Deus, acima de tudo, em segundo a equipe do transplante, da UTI, das enfermarias, por todo acolhimento e cuidado, e por nunca terem me abandonado. Agora serão dois aniversários, o de nascimento e o de renascimento”, disse Michel.

Michel teve o procedimento realizado no último dia 8 de novembro. Francisco Michel é o receptor de número 60, no Acre, a receber um fígado. “O receptor vem retomando aos poucos sua rotina, está sendo uma excelente recuperação, seguindo os devidos cuidados e orientações médicas após o sucesso do seu procedimento cirúrgico. Agora, após sua alta, passa pelo atendimento ambulatorial com a equipe de transplantes”, destaca a coordenadora do transplante de fígado na Fundhacre, enfermeira Valéria Monteiro.

O receptor já estava internado na unidade desde o dia 24 de outubro, devido a complicações do quadro clínico. Estava sob os cuidados da equipe de infectologia e assistencial da unidade, agora, pós-transplantado, passa pelo atendimento no ambulatório. “Após a minha alta espero ter muita saúde para poder trabalhar e ter disposição para tocar minha vida normalmente como era anos atrás”, disse o receptor.

O ambulatório conta com uma equipe multidisciplinar especializada em transplantes, com atendimento de enfermagem, psicologia e apoio administrativo para agendamento de exames. Toda organização e logística para execução dos transplantes de fígado é um compromisso e cuidado do governo do Estado, que tem atuado de forma assídua, juntamente com as instituições de saúde e equipe do Transplante Hepático do Acre, coordenada pelo cirurgião Tércio Genzini.

“Nosso compromisso com a sociedade é de melhoramento dos nossos serviços, com a garantia da assistência à nossa população”, destacou a presidente em exercício da Fundhacre, Duciana Araújo.Michel foi o segundo bocacrense a receber um transplante de fígado no Acre.

Antes dele, o também filho de Boca do Acre, Gomes Silva de Souza Campos, 20 anos, também recebeu um órgão saudável, depois de ter sido acometido por uma cirrose hepática causada por consumo excessivo de álcool. O procedimento cirúrgico do jovem aconteceu no mês de maio deste ano.

PT e PSB anunciam apoio à reeleição de Lira nesta terça

PT e PSB anunciarão, na tarde desta terça-feira (29/11), apoio à reeleição de Arthur Lira (PP-AL) ao comando da Câmara, na disputa marcada para fevereiro de 2023.

O anúncio está previsto para 16h e será feito de forma conjunta pelos dois partidos, em uma tentativa de demonstrar alinhamento entre as siglas de Lula e Geraldo Alckmin.

PT e PSB se somarão a outros 11 partidos que já anunciaram apoio à reeleição de Lira: PP, União Brasil, Republicanos, Podemos, PDT, PSC, PV, PTB, Patriota, Solidariedade e Pros.

Além disso, PL e PSD já indicaram que deverão apoiar a recondução do atual presidente da Câmara. O MDB, como mostrou a coluna, também deverá fechar com Lira.

Corte de R$ 1,6 bilhão na Saúde deve impactar compra de remédios por ministério

O corte deve afetar a aquisição de medicamentos e outros insumos que abastecem programas da pasta

O governo Jair Bolsonaro (PL) deve fazer um corte na de R$ 1,647 bilhão no Ministério da Saúde, na esteira dos bloqueios de gastos do Orçamento Geral da União de 2022. De acordo com relatos feitos à CNN por fontes da pasta, o corte deve afetar na aquisição dos mais diversos insumos, como medicamentos.

Conforme fontes técnicas do ministério ouvidas pela CNN, há uma preocupação com o abastecimento de medicamentos, que podem causar impactos em programas coordenados pelo Ministério da Saúde como: a assistência aos povos indígenas, a farmácia popular e básica, a prevenção e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), a rede de atendimento materno e infantil, entre outros.

Sede do Ministério da Saúde, em Brasília

Sede do Ministério da Saúde, em Brasília REUTERS/Adriano Machado

Na semana passada, o governo informou que bloquearia R$ 5,7 bilhões de gastos não obrigatórios do Orçamento Geral da União de 2022 de todas as áreas. Os cortes iniciaram na segunda-feira (28).

De acordo com o Ministério da Economia, o contingenciamento se deu para que o governo pudesse pagar R$ 2,3 bilhões a mais da Previdência Social e depois da suspensão da medida provisória que adiava para 2023 o repasse de R$ 3,8 bilhões de ajudas para o setor cultural da Lei Paulo Gustavo.

Questionado sobre o bloqueio em parte do orçamento para 2022 o Ministério da Saúde ainda não se manifestou.

OAB/AC publica resolução que veda a indicação de diretores, parentes e sócios a cargos públicos

Visando à garantia da independência e a isonomia institucional, a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Acre (OAB/AC) publicou uma resolução normativa que veda a indicação de diretores, parentes e sócios a cargos públicos.

A Resolução Conjunta 04/2022, assinada pela OAB/AC e a Caixa de Assistência dos Advogados do Acre (CAAAC), tem como foco principal a necessidade da garantia da concorrência plena de membros da advocacia à concorrência às vagas da advocacia ao quinto constitucional para tribunais, mas também é válida aos demais cargos públicos, desde que remunerados e dependam da aprovação do Conselho Seccional.

Medida é válida às funções públicas, quando remuneradas e que dependam da aprovação do Conselho Seccional da OAB/AC (Foto: Assessoria OAB/AC)

“A vedação prevista no artigo acima se estende à parentes consanguíneos ou por afinidade, sócios ou associados daqueles lá mencionados”, ressalta trecho da resolução assinada pelos presidentes da Seccional Acre, Rodrigo Aiache, e CAAAC, Laura Sousa.

Segundo o presidente Rodrigo Aiache, a OAB/AC precisa ser exemplo. “Entendemos que é preciso haver a garantia da concorrência plena entre os membros da advocacia. Com essa nova resolução, vamos conseguir de fato ampliar a possibilidade para que outros colegas, não somente aqueles ligados à diretoria da OAB, ocupem espaços destinados à advocacia. Com isso, conseguimos honrar um dos pilares do nosso plano, que é a inclusão”, disse Aiache.

Boletim da Sesacre informa mais 43 casos de infecção pelo novo coronavírus

A Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), por meio do Departamento de Vigilância em Saúde (DVS), informa que foram registrados 43 novos casos de coronavírus nesta terça-feira, 29 de novembro. O número de infectados notificados é de 153.730 em todo o estado.

Até o momento, o Acre registra 360.512 notificações de contaminação pela doença, sendo que 206.767 casos foram descartados e 15 exames de RT-PCR aguardam análise do Laboratório Central de Saúde Pública do Acre (Lacen). Pelo menos 150.293 pessoas já receberam alta médica da doença, e não há registro de pessoas internadas até o fechamento deste boletim.

Os dados da vacinação contra a covid-19 no Acre podem ser acessados no Painel de Monitoramento da Vacinação, disponível no endereço eletrônico: http://covid19.ac.gov.br/vacina/inicio. As informações são atualizadas na plataforma do Ministério da Saúde (MS) e estão sujeitas a alterações constantes, em razão das informações inseridas a partir de cada município.

Nenhum óbito foi notificado nesta terça-feira, 29, fazendo com que o número oficial de mortes por covid-19 permaneça em 2.029 em todo o estado.

Sobre os casos de covid-19 no estado, acesse:
BOLETIM_AC_COVID_29_11_2022

Sobre a ocupação de leitos no estado, acesse:
http://covid19.ac.gov.br/monitoramento/leitos

Complexidade do atendimento determina qual unidade hospitalar o usuário deve procurar, orienta Secretaria de Saúde

O Acre possui, atualmente, cerca de 800 mil habitantes distribuídos entre 22 municípios. A crescente população apresenta ao governo do Estado o desafio de organizar os serviços de saúde oferecidos aos cidadãos. Diante disso, a Secretaria de Saúde (Sesacre) orienta aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) a qual unidade hospitalar recorrer, dependendo da complexidade do atendimento requerido.

A Portaria nº 4.279 estabelece as diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do SUS, sendo eles: atenção primária, secundária e terciária. Foto: arquivo

O SUS, garantido pela Constituição Federal Brasileira desde 1988, é um dos maiores sistemas de saúde pública no mundo. Toda essa estrutura está organizada em níveis de assistência, de acordo com o grau dos atendimentos demandados. Os níveis de atenção e assistência à saúde no Brasil são estabelecidos pela portaria do governo federal nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. A determinação estabelece as diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do SUS, sendo eles: atenção primária, secundária e terciária.

Atenção primária: cabe a essa modalidade o diagnóstico precoce de doenças, a identificação de fatores de riscos e o encaminhamento, em tempo oportuno, para a atenção especializada, quando necessário, pois essas ações resultam no impacto terapêutico e no melhor prognóstico dos pacientes. Estão inclusas nessa organização as unidades básicas de Saúde (UBS), com responsabilidade de gerenciamento municipal e porta de entrada preferencial do SUS.

Atenção secundária: destinada aos atendimentos de saúde de complexidade intermediária, em conjunto com a atenção básica, atenção hospitalar, atenção domiciliar e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Nessa modalidade estão inseridas as unidades de Pronto Atendimento (UPAs), que oferecem uma estrutura simplificada, com raio-X, eletrocardiografia, pediatria, laboratório de exames e leitos de observação.

Atenção terciária: É o serviço qualificado de alta complexidade para o atendimento de Urgência e Emergência. A organização tem o intuito de qualificar o atendimento à demanda espontânea ou referenciada, garantindo, desse modo, a retaguarda na assistência de média a alta complexidade, ofertando procedimentos, diagnósticos, leitos clínicos de retaguarda, cirurgias, e Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). O Pronto-Socorro de Rio Branco compõe essa modalidade.

Edvan Meneses, coordenador da Rede de Urgência e Emergência do Acre. Foto: Taís Nascimento

“Resumindo, o usuário que precisa realizar uma consulta, investigar alguns sintomas, deve se dirigir a uma UBS. Lá ele vai ter toda a assistência necessária para essa demanda. Nos casos mais moderados, onde o paciente possui sintomas como como pressão alta, febre alta, fraturas, cortes e outros que não ofereçam riscos diretos a vida, devem ser direcionados às UPAs. Casos graves, onde o paciente está em iminência de morte, devem ser rapidamente encaminhados ao Pronto-Socorro”, explicou o coordenador da Rede de Urgência e Emergência do Acre (RUE), Edvan Meneses.

HandFamília e Panelinhas são campeãs do Desafio 3×3 de Handebol

Uma grande festa. Foi o que aconteceu durante a realização do Desafio 3×3 de Handebol, no último sábado, 26, na quadra Rivaldo Guimarães, no Mascarenhas de Moraes. No final, HandFamília, no masculino, e Panelinha, no feminino se sagraram campeãs.

A competição já faz parte do calendário de atividades da Liga de Handebol do Acre e contou com a participação de 16 equipes. Sendo seis no feminino e 10 no masculino. O diferencial da competições tradicionais da modalidade, além da quantidade de atletas, também os gols espetaculares, que valem dois pontos.

É comum durante os intervalos dos jogos realizar uma competição de 7 metros, que para quem não conhece o handebol seria o pênalti no futebol. Dez duplas no masculino e seis no feminino fizeram a disputa e as duplas Hortência/Lenayra, no feminino, e Mateus/Gabriel, no masculino ficaram com título.

Para o presidente da Liga, Franklin Ingma, a expectativa do Desafio foi alcançada e serviu para movimentar o handebol, tendo em vista que em 2022 a movimentação da modalidade foi pouca.

“Atingimos o nosso objetivo que era reunir os amantes do handebol em uma competição saudável. Para o handebol o ano de 2022 foi um período de pouca competição, mas para 2023 a Liga dará sua contribuição realizando mais torneios”, disse o presidente.

“Essa semana ainda teremos uma reunião com nossa diretoria para definirmos nosso calendário de competição para 2023. A ideia é oferecer eventos de handebol na capital como também no interior.”

UFAC terá funcionamento comprometido após novo bloqueio do governo federal de quase R$ 5 milhões

A Universidade Federal do Acre (Ufac) informou nesta terça-feira (29), por meio de nota pública, que o Governo Federal bloqueou quase R$ 5 milhões do orçamento geral da instituição.

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) afirmou que o esvaziamento das contas foi feito na noite desta segunda-feira (28), “enquanto o país inteiro assistia ao jogo da Seleção Brasileira”.

“Esta situação compromete, sobremaneira, as atividades acadêmicas planejadas pelas instituições para o decorrer do ano. O bloqueio na Ufac foi de quase R$ 5 milhões, que seriam destinados ao pagamento de despesas discricionárias, afetando a prestação de serviços”, diz a nota da Ufac.

“A Reitoria comunica que os impactos na universidade estão sendo analisados para que se encontre o melhor caminho no sentido de mitigar prejuízos causados ao pleno funcionamento da instituição. A Reitoria reafirma seu compromisso com uma universidade pública, gratuita, laica, inclusiva e de qualidade”, finaliza.

Além da Ufac, o Instituto Federal do Acre (Ifac) também sofreu com a medida, tendo quase R$ 2 milhões de recursos bloqueados.

A retirada de valores em todas as instituições federais do Brasil chegou a R$ 244 milhões.

MPF pede que Justiça obrigue INSS a cuidar de terreno abandonado no Conjunto Universitário, em Rio Branco

Lote está abandonado há anos, trazendo inúmeros perigos para a vizinhança

O Ministério Público Federal (MPF) no Acre ajuizou uma ação civil pública visando obrigar o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a manter limpo o INSS a manter limpo um lote de terra localizado em Rio Branco (AC), no bairro Universitário, que atualmente está abandonado, tomado por mato, lixo, entulhos e outros materiais que propiciam um ambiente favorável à proliferação de animais e insetos peçonhentos e a ocorrência de queimadas, além de ser alvo de pessoas de práticas ilegais, de forma a causar prejuízo ao bem público e à comunidade no entorno do imóvel.

O caso foi encaminhado ao MPF a partir de representação da Associação de Moradores do Bairro Universitário, que denunciou o abandono de um lote de terra com área de 56.000 m², localizado no Conjunto Universitário II, em Rio Branco, de propriedade do INSS, que estaria tomada por mato, lixo, entulhos, entre outros materiais, devido à falta de intervenção pública, transformando-se em ambiente propício para a proliferação de animais e insetos peçonhentos e, até mesmo, venenosos, e a consequente transmissão e propagação das doenças transmitidas por eles, bem como a ocorrência de queimadas, além de expor a integridade física e a vida dos moradores da vizinhança.

No caso deste imóvel, o problema é antigo, sendo que pelo menos desde 2008 o MPF já interveio extrajudicialmente para que fosse realizada a manutenção, porém a autarquia proprietária da área não toma para si a responsabilidade da limpeza, sendo a recorrência da intervenção ministerial também prova da leniência do órgão com relação ao patrimônio em tela.

A ação também ressalta que a prática de abandono não é exclusiva para este imóvel, já tendo sido ajuizada ação no mesmo sentido visando a limpeza e conservação de um galpão do INSS em Brasiléia, a 230km de Rio Branco, sendo que nesta ação a autarquia chegou a informar a realização de uma licitação que contemplaria o imóvel de Brasiléia e os de Rio Branco.

Para Lucas Almeida Costa Dias, procurador que assina a ação, a postura do INSS fere o princípio da eficiência, que rege a administração pública, especialmente quando se coloca lado a lado também a situação do imóvel de Brasiléia, que também está sem solução há anos.

Além disso, o Departamento de Vigilância Sanitária do município de Rio Branco atestou que a situação do terreno está em desacordo com a Lei Municipal n. 1.623/2006 (Código Sanitário do Município), que estabelece que o proprietário ou ocupante a qualquer título, é responsável pela limpeza e conservação do imóvel.

O pedido da ação é para que, no prazo de 30 dias O INSS remova o lixo e os detritos (acúmulo de telhas, tijolos, sobras de construções, excesso de plantas) do terreno, além de demarcar a área em que está situado o imóvel, ficando também obrigado a realizar mensalmente serviço de limpeza e roça no local.

Deputada Alessandra intercede junto aos órgãos públicos por moradores do Cruzeirinho, em Boca do Acre

A deputada estadual Alessandra Campêlo (PSC) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa do Amazonas nesta terça-feira (22) para pedir a regularização fundiária da Comunidade do Cruzeirinho, em Boca do Acre.

A iniciativa tem o objetivo de beneficiar 400 famílias que trabalham no setor primário na localidade.“É uma comunidade que não tem regularização da terra, eles ocupam esse espaço há mais de 20 anos e agora estão enfrentando esse problema na Justiça por não terem a regularização da terra. Nosso gabinete vai acompanhar esse caso”, disse Alessandra.

A demanda foi trazida ao conhecimento do Parlamento por meio da vice-prefeita Luciana Melo. Segundo ela, o Cruzeirinho é uma comunidade organizada e as famílias que lá residem vivem do cultivo de frutas, verduras, hortaliças e outros produtos importantes da cadeia primária que abastecem os dois principais mercados locais.“O conflito não é apenas privado, mas sim de caráter social, pois existem em torno de 400 famílias que residem neste local e trabalham com agricultura familiar, ou seja, lá têm moradia e produzem seu próprio sustento”, explicou a vice-prefeita.

A preocupação da deputada Alessandra e da vice-prefeita Luciana é o impacto social que uma eventual reintegração de posse possa trazer ao município localizado no Sul do Amazonas. Os órgãos envolvidos serão procurados para tentar resolver o problema jurídico de forma pacífica, sem prejuízos para as 400 famílias do Cruzeirinho.

“Recebi o expediente da vice-prefeita Luciana Melo e a gente vai acompanhar junto aos órgãos públicos e à Justiça essa questão. Então quero dizer à Comunidade do Cruzeirinho que vocês não estão sozinhos e que terão apoio da deputada Alessandra e desta Casa”, concluiu a parlamentar do PSC.

Bloqueio da BR-364 já causa desabastecimento de combustível em Boca do Acre

O bloqueio da BR-364, no estado de Rondônia, já começou a instaurar o caos em Boca do Acre. Várias pessoas estão postando em grupos de whatsapp que alguns postos de combustível já estão desabastecidos de todo tipo de combustível.

A notícia provocou uma corrida aos postos de combustíveis.O empresário dono da rede de postos Peixe Vivo, confirmou a falta de combustível. “Não temos mais diesel, gasolina ainda tenho dez mil litros, mas se continuar assim, vai faltar”, disse o empresário.

“Meu caminhão está preso no bloqueio que acontece na cidade de Vista Alegre do Abunã”, comentou Onofre e acrescentou que “há mais de 300 caminhões impedidos de passar, o que já tem prejudicado inclusive todo o estado do Acre”, concluiu Tenisson.

Além disso, já existem comerciantes preocupados com o desabastecimento de mercadoria.

Outra grande preocupação é que as carretas que transportam o combustível para a geradora de energia elétrica de Boca do Acre, estariam no bloqueio, o que pode significar racionamento e até falta de energia.

Tasso Jereissati apresenta “PEC da Sustentabilidade Social” em contraponto à PEC do Estouro

Proposta prevê a expansão permanente de R$ 80 bilhões do teto de gastos para direcionamento de despesas com programas de transferência, saúde, educação, ciência e cultura

A equipe do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) afirmou à CNN que o tucano vai protocolar nesta segunda-feira (21) uma Proposta de Emenda constitucional (PEC) em contraponto à PEC do Estouro.

Batizada pelo senador de “PEC da Sustentabilidade Social”, ela prevê a expansão permanente de R$ 80 bilhões do teto de gastos para direcionamento de despesas com programas de transferência, saúde, educação, ciência e cultura. A proposta também mantém o teto de gastos como âncora fiscal.

A regra estabelece as seguinte flexibilização da regra do teto de gastos:

1) Para os exercícios de 2018 a 2022 e de 2024 em diante, ao valor do limite referente ao exercício imediatamente anterior, corrigido pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado no exercício anterior a que se refere a lei orçamentária;

2) Para o exercício 2023, ao valor do limite referente ao exercício imediatamente anterior, corrigido pelo IPCA, apurado no exercício anterior a que se refere a lei orçamentária, adicionado de R$ 80 bilhões, que passam a compor a base de cálculo do limite dos anos posteriores.

Pela proposta de Tasso, ficariam ainda fora do teto:

– Despesas com projetos socioambientais ou relativos às mudanças climáticas, no âmbito do Poder Executivo, custeadas por recursos de doações;

– Despesas de instituições federais de ensino custeadas por receitas próprias primárias, de doações ou de convênios celebrados com demais entes da Federação ou entidades privadas, desde que não sejam intraorçamentárias.

De acordo com a exposição de motivos da PEC, o custo da proposta fica em R$ 80 bilhões.

“Propomos uma expansão de R$ 80 bilhões no limite das despesas primárias do Poder Executivo para 2023, que se incorporará definitivamente ao teto de gastos calculado para os anos seguintes, para que as despesas necessárias para a manutenção do benefício de R$ 600 sejam realizadas de maneira a atender de forma intertemporal o teto de gastos”, diz o texto.

O anteprojeto de Tasso Jereissati classifica ainda o teto de gastos como uma “regra fiscal que tem permitido, ao longo de sua existência, a ancoragem das expectativas dos agentes econômicos em relação à condução da política fiscal”.

“Isso aumentará a previsibilidade da política macroeconômica e fortalecerá a confiança dos agentes, estimulando a capacidade da economia de gerar empregos e renda, além de contribuir para a inflação permanecer sob controle”, conclui o documento.

STF manda Itamaraty cancelar passaporte do blogueiro Allan dos Santos

Ele é investigado no inquérito sobre a divulgação de fake news e também no que identificou a atuação de uma milícia digital que trabalha contra a democracia

O Itamaraty afirmou nesta segunda-feira (21) ter recebido ofício do Supremo Tribunal Federal (STF) com a determinação do cancelamento do passaporte do blogueiro Allan dos Santos, por ordem do ministro Alexandre de Moraes.

Em 21 de outubro de 2021, Moraes determinou a prisão preventiva e, ao Ministério da Justiça, o início imediato do processo de extradição do blogueiro.

Moraes ordenou ainda que a Polícia Federal incluísse o mandado de prisão na lista da Difusão Vermelha da Interpol, para garantir que Santos fosse capturado e retorne ao Brasil. Também foi acionada a embaixada do Brasil nos Estados Unidos.

Após ter sido alvo de operações, Allan dos Santos deixou o Brasil e entrou nos Estados Unidos em 12 de agosto de 2020, com permissão para permanecer até 11 de fevereiro de 2021.

Allan é investigado no Supremo em dois inquéritos: o que apura a divulgação de fake news e ataques a integrantes da Corte e também no que identificou a atuação de uma milícia digital que trabalha contra a democracia e as instituições no país.

Embora tenha confirmado o recebimento da ordem do STF para cancelamento do passaporte em questão, o Ministério das Relações Exteriores disse em nota que “não comenta casos concretos de cooperação jurídica em andamento”.

Em nota, a defesa de Allan dos Santos afirmou que o cliente “não foi intimado de qualquer decisão que imponha restrição ao uso do seu documento de passaporte expedido no Brasil” e que “continua sem acesso aos autos da PET 9935, apenso do INQ 4874, em que decretadas várias medidas cautelares de censura contra a empresa de mídia Terça Livre TV e o próprio jornalista Allan dos Santos”.

“Há mais de um ano seus advogados têm protocolado petições requerendo acesso às provas da investigação, mas todos os pedidos são ignorados pelo Ministro Alexandre de Moraes”, completa a nota da defesa.

MPF repudia falas de prefeito de Rio Branco, que chamou ditadura militar de ‘milagre brasileiro’

Tião Bocalom ainda afirmou que houve fraude nas urnas e que ministro Alexandre de Moraes está exagerando. Nota foi divulgada nesta segunda-feira (21).
Em podcast, prefeito de Rio Branco diz que ditadura militar foi 'milagre brasileiro'

Em podcast, prefeito de Rio Branco diz que ditadura militar foi ‘milagre brasileiro’

O Ministério Público Federal (MPF), por meio da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), repudiou as falas do prefeito de Rio Brano, Tião Bocalom (PP), durante um podcast de um site local, em que defendeu o regime militar, que durou de 1964 a 1985. Durante as falas, o prefeito também fez duras críticas ao ministro Alexandre de Moraes e defendeu que houve fraude nas urnas.

Na nota o órgão destaca que “elogios ao regime de exceção instalado no país por meio do golpe militar de 1964 violam a noção republicana e o sistema de direitos humanos implementado pela Constituição Federal, porque na ditadura foram empregadas práticas de tortura e execuções de pessoas, o que, inclusive levou o Brasil a ser responsabilizado por esses crimes perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos.”

Omitindo a violência do regime, a perseguição a opositores e a cassação de direitos individuais, Bocalom disse que a ditadura foi um “milagre brasileiro” ao falar sobre um suposto crescimento econômico do Brasil durante a ditadura.

Na entrevista, o gestor também se disse a favor de atos antidemocráticos em frente a quartéis, que pedem intervenção militar. Em Rio Branco, um grupo de bolsonaristas acampa em frente ao Comando de Fronteira Acre / 4º Batalhão de Infantaria de Selva desde o último dia 2 de novembro – a ação se mantém na manhã desta sexta (18).

“Eu sou a favor de deixar que as pessoas se manifestem, não estão quebrando nada, não estão fazendo nada de errado. Qual o problema? [de estarem pedindo intervenção militar]. Desde quando os militares não fizeram um grande trabalho nesse país? Esse país é o que é, quando nos anos 70, os militares entraram. Os prefeitos não serão destituídos. Depende da forma de como vai ser tratado. Ninguém sabe o que vai acontecer. Quando foi o milagre brasileiro do desenvolvimento? Que o Brasil era o 40º país em economia do mundo e aí ele veio para o sexto, chegou a ser o terceiro em economia do mundo? Quando foi isso? Foi na época dos militares que o país explodiu, que a economia brasileira explodiu, é o milagre brasileiro”, disse o prefeito.

O MPF pede ainda que sejam feitas as investigações necessárias.

” Diante desse quadro, o MPF reitera o compromisso com a proteção dos direitos humanos e continuará envidando todos os esforços perante os órgãos de investigação para que crimes de violação aos direitos fundamentais cometidos durante a ditadura militar no Acre sejam devidamente responsabilizados, notadamente pelo seu caráter de imprescritibilidade”, diz a nota assinada pelo procurador Lucas Costa Almeida Dias.

‘Isso é pior do que Cuba’

Bocalom afirmou ainda que entende como um “abuso” proibir as manifestações e criticou a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou o bloqueio de contas ligadas a 43 pessoas físicas e jurídicas suspeitas de ligação com atos antidemocráticos que questionam o resultado das eleições.

“Está existindo um abuso realmente quando proíbe. Hoje já falei que o ministro está exagerando, agora, mandar mexer nas contas, ou seja, bloquear as contas de pessoas que supostamente estivessem ajudando as pessoas que estão fazendo o movimento? Isso é pior do que Cuba. Não sei se tá pior do que Cuba, porque não conheço, mas pelo histórico que conheço, lá também quando fala contra o governo é bloqueado, vai preso, e é o que tá acontecendo aqui. Eu acho que isso não é para o nosso país. Nosso país é democrático, nunca houve o que está acontecendo agora. A vida inteira a turma do PT pôde fazer manifestação à vontade, mas nunca aconteceu nada. Agora só porque o povo vai para frente do quartel e diz que está errado o que está acontecendo, pronto, aí você está errado? Não. O direito de manifestação tem que pedir”, afirmou.

Prefeito afirma que houve fraude nas eleições

Em outro trecho da entrevista, o prefeito da capital acreana afirmou que houve fraude nas urnas nas últimas eleições. Ele citou ainda um vídeo divulgado por um influenciador argentino que alega que parte das urnas eletrônicas não teriam sido “auditadas” pelo TSE e teriam transferido votos de Bolsonaro para Lula durante a votação, o que a Corte eleitoral desmentiu.

“Infelizmente, [Bolsonaro] perdeu ou foi roubado, não sei. Eu acredito sim [que houve fraude nas urnas]. Eu acredito, porque como matemático que sou e trabalho com estatística, quando você pega aqueles números daquela auditoria que aquele argentino fez e mostra tem realmente um comportamento diferente nas urnas.”

Ao ser indagado sobre como não confia nas urnas, sendo que foi eleito através delas, Bocalom também levantou dúvidas sobre o percentual pelo qual foi eleito em 2020. Ele foi eleito com 62,93% de votos.

“Quem garante que eu não poderia ter mais de 73% dos votos? Eu não tenho problema porque fui eleito, mas perdi duas eleições com urna eletrônica, em 2010 perdi por meio por cento. E quem não lembra que em 2010 teve 16 urnas aqui no Acre que tirei zero, o Tião Viana fez 100% das urnas, 100% dos votos e tirei zero e não teve uma urna que o Tião Viana pudesse ter tirado zero. Como matemática e como quem trabalha com estatística como eu, quem mexe com estatística sabe que pode ter fraude e foi mostrado pela auditoria da argentina, do especialista da argentina”, disse.

Bocalom participou de podcast em site local — Foto: Arquivo pessoal

Bocalom participou de podcast em site local — Foto: Arquivo pessoal

‘Ditadura do judiciário’

Ao g1, nesta sexta-feira (18), o prefeito, mesmo chamando de “revolução de 1964”, afirmou que não é a favor da ditadura e que apenas deu números “verdadeiros” sobre o período. Bocalom voltou a falar em “milagre econômico” e a criticar o ministro Alexandre de Moraes.

“Não disse que sou a favor da ditadura. Eu disse os números e são reais. O ministro está extrapolando a função dele, ele está criando leis e mais leis e uma confusão danada no Brasil. O ministro se posicionou de um lado e isso criou um tumulto, as estradas estão já com bloqueios, porque o ministro agora resolveu travar conta de empresários, estamos numa ditadura pior que Cuba. Isso é ditadura. Como disse Rui Barbosa, a pior ditadura é a do Poder Judiciário. O que estamos vendo hoje, o que o Alexandre de Moraes está fazendo é uma ditadura. Pedir a intervenção militar é porque a situação realmente perdeu o controle. Intervenção militar não é crime. Ninguém está defendendo ditadura militar, mas se continuar essa ditadura do judiciário que está acontecendo, as forças militares vão entrar”, afirmou.

PDT vai analisar se toma medidas

A vereadora Michelle Melo (PDT) disse que o Partido Democrático Trabalhista vai se reunir na próxima semana para discutir sobre as declarações dadas pelo prefeito de Rio Branco e analisar se deve tomar medidas a respeito.

“O PDT resolveu reunir todos os vereadores para fazer uma conversa sobre essa situação. Somos um partido que participou do período muito difícil do Brasil, pelo qual tem como suas pautas a liberdade e a democracia, e a gente resolveu fazer um encontro dentro do partido para falar sobre essas declarações e essa questão de incentivo à Ditadura Militar. A ditadora é um momento que deve ficar no passado, não ser trazido para ao nosso presente, mas infelizmente a gente tem esses governantes que infelizmente não respeitam a Constituição, não respeitam a lei”, afirmou Michele.

g1 entrou em contato com o vereador Emerson Jarude Jarude (MDB) para saber se a bancada de oposição na Câmara de Rio Branco vai tomar alguma medida, mas não obteve resposta. A reportagem também verificou junto à Ordem dos Advogados do Brasil seccional Acre (OAB-AC), em nota, repudiou as declarações do prefeito.

“A OAB, enquanto instituição que fez parte dos movimentos que defenderam o restabelecimento da democracia brasileira durante a ditadura militar (1964-1985), refuta tais alegações. Naquele período, vidas foram ceifadas, pessoas perseguidas. Portanto, defender tal período tenebroso é, por consequência, defender tamanhas atrocidades cometidas. Recebemos com indignação e tristeza essas declarações.”

Servidores inativos do governo do Acre recebem dia 25 e ativos 28

Pagamento estaria na conta dia 30 de novembro, mas governo decidiu adiantar.

O governo do Acre decidiu antecipar o pagamentos dos servidores do estado. Ficou para o dia 25, o pagamento, referente ao mês de novembro, dos aposentados e pensionistas e para a segunda-feira (28), o dos servidores públicos ativos.

De acordo com o calendário anual de pagamentos, divulgado no dia 11 de janeiro, o pagamento correspondente a novembro só estaria disponível em conta no dia 30. Com o adiantamento, serão contemplados 51.886 servidores ativos e inativos, com proventos que somam montante superior a R$318,8 milhões, que entram em circulação na economia local.

Para mais informações, os servidores podem acessar a versão digital do contracheque.