Anúncio de contaminação em açaí de mercado afeta produtores e fecha pontos de vendas no AC

Após a Secretaria Municipal de Saúde ter atestado contaminação no açaí vendido no Mercado Elias Mansour, no Centro de Rio Branco, a venda do produto despencou no comércio da capital acreana. Segundo os comerciantes, a queda da venda do produto está em vários pontos do comércio e alguns já fecharam.

A Saúde convocou a população de Rio Branco que comprou e tomou açaí dos fornecedores do mercado para que façam o exame de diagnóstico para doença de chagas.

Os exames podem ser feitos até o dia 18 de fevereiro das 7h às 12h e das 14h às 17h, no laboratório de saúde do Estado, o Lacen.

Os comércios que processavam e vendiam o produto no Mercado Elias Mansour foram fechados. Até aqueles que comercializam o produto com registro do Ministério da Agricultura estão com as vendas comprometidas.

A comerciante Tereza Andrade conta que as vendas caíram de 50 litros para uma média de 10 litros por dia. “Meu Deus, eu pedi 20 litros e foi a maior novela para vender esses 20 litros. Digamos que em média está sendo 10 litros por dia. De 50 para 10 tem diferença, né”, disse.

A cadeia produtiva do açaí gera centenas de empregos diretos e indiretos em todo o estado. O anúncio fez com que o produto desvalorizasse não só no Mercado Elias Mansour, mas também em outros pontos da cidade e, consequentemente, abalou toda a cadeia produtiva. Como no Mercado da Estação Experimental.

“Está todo mundo sentindo a dor no bolso, a falta do dinheiro. Vocês podem ver, a feira nem se compara com antes. A gente tem os compromissos e agora que era para ser o pagamento, a gente ficou sem ganhar”, reclamou Tereza.

Queda de 500% nas vedas

Segundo o comerciante Francisco das Chagas, depois da repercussão do açaí contaminado, as vendas caíram 500%. “Eu vendia 100 litros, terminava cedo, hoje não estou vendendo 20 ou 10 litros. Já são 10 horas e só vendi 2 litros. Está prejudicando, por causa de um, prejudicou todo mundo”, disse.

A diretora do departamento de assistência, da Secretaria Municipal de Saúde, Jesuíta Arruda, tranquiliza a população que consome o açaí em outros pontos da cidade.

“Nossa orientação é para quem consumiu ali no Mercado Elias Mansour, porque a Vigilância Sanitária faz o monitoramento e o material colhido nos outros estabelecimentos todos estão favoráveis. Insatisfatório foi apenas naquela localidade. Então, a gente orienta os consumidores que se tranquilizem”, afirmou Jesuíta.