Alunos surdos defendem TCC em Cruzeiro do Sul

A Universidade Federal do Acre (Ufac) realizou solenidade de defesa do trabalho de conclusão de curso (TCC) de dois alunos surdos em Cruzeiro do Sul, nesta quinta-feira, 20. Andressa de Abreu e Silvanio Souza são os primeiros estudantes com surdez a adquirir graduação no campus Floresta.

“A Educação Inclusiva no Contexto Escolar: Desafios e Perspectivas no Processo de Ensinar e Aprender do Aluno Surdo” é o trabalho de Andressa; “A Inclusão de Alunos Surdos na Universidade: Desafios e Perspectivas”, o de Silvanio. Ambos são resultados de pesquisas realizadas com professores e escolas da cidade de Cruzeiro do Sul, sobre ensino e dificuldades na acolhida do aluno surdo.

Andressa conta que, quando iniciou o curso, as pessoas a tratavam com admiração. “Eles ficavam me observando, me parabenizavam por ter passado no Enem [Exame Nacional do Ensino e Médio] e me desejavam boa sorte”, lembrou. Ela sentiu dificuldades para acompanhar o que era ensinado em sala de aula, pois não havia intérprete. “Eu sofri um pouco no início”, relatou. “Mas, no futuro, tenho certeza que serei uma boa profissional no mercado de trabalho.”

Durante a apresentação, Silvanio relembrou as dificuldades que enfrentou desde que começou a estudar e, depois, na faculdade. “Eles não me entediam; todos ficavam assustados”, disse. “Hoje melhorou. Já tem interação com o surdo, não tem preconceito e discriminação. Eu estou livre aqui na comunidade de Cruzeiro do Sul. A igualdade é muito importante na aprendizagem do aluno surdo.”

A vice-reitora da Ufac, Guida Aquino, destacou que a universidade tem se preocupado com alunos portadores de necessidades especiais. “Nós temos que melhorar nossa assistência cada vez mais, qualificando nossos professores e investindo ainda mais na melhoria dos campi”, comentou. “Temos que trabalhar muito para que os alunos com necessidades especiais possam ter sua melhor formação na universidade.”

Para o pró-reitor de Assuntos Estudantis, Sérgio Siqueira, a pasta procura demandar ações que beneficiam a todos os alunos de maneira igual. “A diferença, para nós, está no apoio da administração superior, no comprometimento dos centros em Rio Branco e Cruzeiro do Sul, com alunos com necessidades especiais”. De acordo com a coordenadora do NAI em Cruzeiro do Sul, Maria Aldenora, o campus Floresta possui sete estudantes surdos em formação. “A defesa da Andressa e do Silvanio é um incentivo a mais para os outros estudantes”.

Com atendimento em Rio Branco e Cruzeiro do Sul, o Núcleo de Apoio à Inclusão (NAI) cumpre um papel importante na formação desses estudantes. “A Ufac garante o acesso deles e sua permanência na instituição”, afirmou a coordenadora do NAI em Rio Branco, Joseane de Lima Martins. “A linguagem de sinais rompe velhos paradigmas entre ouvinte e pessoa surda; a equipe do NAI está empenhada em atuar e defender os direitos dos portadores de necessidades especiais.”

Participaram da solenidade o diretor do Centro de Educação e Letras, Mauro Uchôa; a coordenadora do Curso de Pedagogia no campus Floresta, Sônia Elina; o subprefeito do campus Floresta, Artherson Silva; a representante da secretaria Municipal de Educação de Cruzeiro do Sul, Tatiana Abreu; o coordenador geral do Diretório Central dos Estudantes da Ufac, Richard Brilhante; o representante do corpo discente do Curso de Pedagogia, Miqueias Martins; a delegada, Carla Brito; entre outros.