Acre registra 326 focos de incêndio em 2022; mais de 100 apenas em maio

O programa de dados Queimada, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), registrou através de um dos seus satélites 326 focos de incêndio apenas em 2022. Apenas no mês de maio, mais de 100 focos foram anotados.

Enquanto isso, outro satélite, mais criterioso, detectou 29 grandes focos, até o dia 24 deste mês. A fins de comparação a média para maio é de 19 (no período de 1998 até o presente), e no mesmo período no ano anterior foram detectados 30 focos.

Comparando os dados deste ano, com os cinco primeiros meses dos anos anteriores, o período atual fica atrás apenas de 2006, quando, de janeiro até maio, 68 focos de incêndio foram detectados, enquanto atualmente o número já chega a 62.

Desde o início de 2022, os municípios mais afetados são Tarauacá, Cruzeiro do Sul e Brasiléia, enquanto em maio Brasiléia, Rio Branco e Epitaciolândia estão no topo.

Com isso, atualmente o Acre ocupa a 8ª colocação entre os estados da Amazônia Legal, apresentando 1,2% do total de 26.538 focos registrados na região.

Vale lembrar que com a chegada do verão amazônico, e a seca característica da época, o número de queimadas tende a aumentar, começando a subir de maneira mais acentuada em julho, e tendo seu ápice ocorrendo entre os meses de agosto e setembro.

Os municípios de Rodrigues Alves, Xapuri, Capixaba, Epitaciolândia, Brasiléia, Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Rio Branco, Bujari e Porto Walter apresentam maior número de focos de incêndio por Km², e por isso tornam-se prioritários para monitoramento e ações de combate e controle de queimadas e incêndios florestais.