960x100 basa novo

Aloysio Nunes participa de reunião de emergência do Mercosul em Buenos Aires

Aloysio Nunes participa de reunião de emergência do Mercosul em Buenos Aires

Após assinar comunicado condenando o clima político da Venezuela, o chanceler brasileiro, Aloysio Nunes, confirmou presença na reunião de emergência do Mercosul que ocorre neste sábado (1º), em Buenos Aires, para discutir a situação. Convocado pela Argentina, o encontro deve contar também com representantes do Paraguai e Uruguai, que fazem parte do bloco regional.

Nesta tarde, os países integrantes da União Sul-americana de Nações (Unasul) divulgaram o comunicado conjunto no qual criticam a decisão do Tribunal Supremo de Justiça venezuelano de limitar a Assembleia Nacional, dominado pela oposição ao presidente Nicolás Maduro. O grupo, do qual também fazem parte Chile e Colômbia, fez um chamado pelo “pronto restabelecimento da ordem democrática” na Venezuela.

De acordo com o comunicado, a notícia causou “alarme” aos integrantes da Unasul, já que os fatos representam um atentado contra os princípios da democracia representativa e da independência dos Poderes. Além de manifestações em conjunto, diversos países já atuaram individualmente contra a decisão da corte venezuelana.

“Os países da região reiteram o urgente chamado para que o governo da Venezuela avance efetivamente na aplicação de medidas concretas, concertadas com a oposição, de acordo com as disposições da Constituição da República Bolivariana da Venezuela, para garantir a efetiva separação de poderes, o respeito ao Estado de Direito, aos direitos humanos e às instituições democráticas”, afirmam, no documento.

Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) também divulgou hoje (31) nota em que diz que a Casa recebeu com “enorme inquietação” a sentença do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela que assumiu as funções da Assembleia Nacional e retirou as imunidades parlamentares. No texto, Maia diz que a decisão do país vizinho é um ato de “absoluto confronto e desrespeito à ordem constitucional daquele país”.

A nota encerra afirmando que a Câmara reitera “seu compromisso inabalável com o Parlamento da Venezuela” e que a Casa sediará, em maio, um evento para debater a crise política no país vizinho e “assegurar um maior engajamento em prol da restauração do diálogo harmonioso naquele país".

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo