960x100 basa novo

Em coletiva à imprensa, Igreja Católica lança Campanha da Fraternidade 2017

Em coletiva à imprensa, Igreja Católica lança Campanha da Fraternidade 2017

Com o tema ‘Fraternidade: Biomas Brasileiros e Defesa da Vida’, a Campanha da Fraternidade 2017 foi lançada, Em Rio Branco, na manhã de quinta-feira, 2, pelo bispo Dom Joaquim Pertiñez. O lema da campanha tem como base o texto bíblico de Genesis 2:15 – “Cultivar e Guardar a Criação.”

“É para todos refletirmos sobre um tema necessário de como devemos cultivar a criação, esse dom que Deus deixou de mais concreto para nós que é o nosso bioma. O objetivo geral é cuidar da criação de Deus de um modo especial promovendo relações fraternas com a vida e acultura dos povos a luz do evangelho”, explica o bispo Dom Joaquim.

A campanha ocorre a nível nacional e tem como ponto principal chamar a atenção da sociedade para a necessidade de cuidar do meio ambiente. A proposta é que seja possível criar uma relação respeitosa com a vida e cultura dos povos que habitam nos mais diferentes biomas existentes, hoje, no país.

“A igreja está preocupada por todo Brasil, já que a campanha é a nacional querendo atingir todos os biomas.

Mas nós, logicamente, nos preocupamos um pouco mais com o nosso bioma amazônico”, afirma.

Esta é uma iniciativa da igreja que tenta conscientizar pessoas de boa fé e de boa vontade e convida as pessoas ao cuidado e cultivo da casa comum. “Não queremos excluir ninguém porque todos somos moradores e responsáveis pelo bem e pelo mal do nosso planeta.”

A partir do lançamento da campanha, até o termino serão apresentadas possíveis medidas que possam contribuir para a preservação da vida nestes seis biomas existentes pelo país.

A Campanha pretende questionar qual o destino que está sendo dado atualmente às riquezas e o que será deixado às futuras gerações. “Ao final saberemos que soluções serão apresentadas e que iniciativas nós poderemos tomar diante desta problemática que atinge a todos. Não só como animais ou plantas, mas também como seres humanos que colherão as consequências dos desastres ambientais que estão acontecendo em nosso país”, conclui o bispo.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo